sicnot

Perfil

Economia

Autoeuropa vai ter apenas um turno de produção a partir de setembro

A Comissão de Trabalhadores (CT) e a administração da Volkswagen Autoeuropa concordaram em reduzir a laboração da fábrica de Palmela para apenas um turno diário, a partir de setembro, anunciou hoje a empresa.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"O volume de encomendas previsto desde o início do ano representa uma redução de 19% face ao ano anterior, concentrada no segundo semestre", justifica uma nota de imprensa da Autoeuropa, adiantando que o acordo com os trabalhadores foi alcançado no passado dia 24 de maio.

"O modelo encontrado prevê a redução do volume diário e a respetiva produção num único turno a partir de setembro, sem dias de paragem coletiva adicionais. Possibilita também a gestão individual do tempo de trabalho e a continuação dos programas de qualificação e de mobilidade internacional em outras fábricas do grupo Volkswagen", acrescenta.

A administração da Autoeuropa, na nota de imprensa hoje divulgada, afirma-se confiante de que esta solução "permitirá a manutenção do emprego e do rendimento dos colaboradores, sem colocar em causa a produtividade da unidade de Palmela".

A CT da Autoeuropa, que deu parecer favorável à proposta da administração, considera que o novo acordo salvaguarda os interesses dos trabalhadores.

"Está salvaguardada a situação de alguns casais que tinham horários diferentes por razões familiares. Os trabalhadores que recebiam subsídio de turno também não perdem rendimento, uma vez que serão compensados com o trabalho extraordinário que será necessário fazer para dar resposta às encomendas feitas à fábrica de Palmela", disse o coordenador da CT da Autoeuropa, António Chora.

"Acreditamos que a redução para um turno é uma situação transitória e que o futuro está ao nosso alcance. Queremos também mostrar à casa-mãe que sabemos adaptar-nos às circunstâncias", acrescentou o representante dos trabalhadores da Autoeuropa.

Para António Chora, apesar da redução para apenas um turno a partir de setembro, tudo indica que, num futuro próximo, com a produção de um novo modelo, a fábrica de Palmela "vai deixar de ser uma fábrica de nicho para produzir produtos de grande consumo".

A administração da Autoeuropa, que também considera a situação atual como um momento de transição para o crescimento a partir do segundo semestre de 2017, diz estar em contacto com os seus fornecedores, para tentar "minimizar o impacto desta alteração no seu funcionamento".

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.