sicnot

Perfil

Economia

SAD do Benfica com prejuízo de 9,35 M€ no terceiro trimestre fiscal

A SAD do Benfica registou um prejuízo de 9,35 milhões de euros nos nove primeiros meses do exercício fiscal de 2015/2016, segundo o comunicado enviado na terça-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

© Reuters Staff / Reuters

De acordo com o documento, as contas nos primeiros seis meses registavam lucros de 5,0 milhões de euros, mas a tendência inverteu no último trimestre. Os 9,35 milhões de euros contrastam ainda com os lucros de 13,57 milhões de euros registados em período homólogo da época anterior.

A ausência de vendas de jogadores no trimestre agora findo é a principal explicação da SAD benfiquista para o resultado negativo, ao contrário do que sucedeu no período homólogo, durante o qual foram transferidos os atletas Bernardo Silva e Franco Jara, paara AS Mónaco e Olympiacos, respetivamente.

A SAD 'encarnada' justifica que o resultado com direitos de atletas deste trimestre ascende a um valor negativo de oito milhões de euros, contrastando com os 32 milhões de euros positivos registados em igual período na época passada.

Os resultados no período foram justificados por dois fatores, o desempenho desportivo alcançado na Liga dos Campeões, que segundo a SAD 'encarnada' contribuiu para o crescimento dos rendimentos operacionais, e a diminuição das alienações de direitos de atletas, que veio a ter um impacto significativo no decréscimo dos resultados com atletas.

Ainda de acordo com o comunicado, "o resultado líquido aproxima-se de um valor negativo de 9,4 milhões de euros e o resultado operacional (incluindo os direitos de atletas) ascende a um montante positivo de 4,2 milhões de euros, os quais não incluem o ganho obtido com a transferência do atleta Renato Sanches para o Bayern Munique".

Aquela SAD justifica ainda o resultado operacional sem direitos de atletas positivo de 12,2 milhões de euros no desempenho desportivo na Liga dos Campeões, destacando que ainda não foi tido em consideração o prémio de passagem aos quartos de final da prova e os outros rendimentos associados à eliminatória com o Bayern Munique.

O ativo consolidado ascendeu aos 419,8 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 2,4% face a 30 de junho de 2015, principalmente justificado pelo recuo dos saldos de clientes em cerca de 36,9 milhões de euros, compensado parcialmente pelo aumento dos ativos intangíveis em 14,1 milhões de euros, face aos investimentos realizados em direitos de atletas.

Por seu turno, o passivo consolidado recuou 1,7 milhões de euros, factor impulsionado pelo decréscimo do saldo conjunto das rubricas de empréstimos obtidos, "sendo ainda de destacar a diminuição de 42,3 milhões de euros ocorrida no passivo corrente por contrapartida do aumento do passivo não corrente em 40,6 milhões de euros".

Quanto aos rendimentos operacionais, estes foram de 95,4 milhões de euros nos primeiros nove meses do atual exercício fiscal, um acréscimo de 22,7% face ao período homólogo.

"Esta variação é essencialmente explicada pelo desempenho desportivo na Liga dos Campeões, cujos prémios distribuídos pela UEFA, reconhecidos até 31 de março de 2016, representam cerca de 30 milhões de euros, face aos 14,5 milhões de euros apresentados no período homólogo", diz o comunicado.

Os gastos operacionais ascenderam, por seru turno, a 83,2 milhões de euros, um acréscimo de 7,2% face ao período homólogo, uma variação justificada pelo aumento dos fornecimentos e serviços externos em 3,3 milhões de euros e dos gastos com pessoal em 1,9 milhões de euros, "estando esta última variação relacionada com os prémios de objectivos distribuídos pelo plantel principal e pela estrutura profissional de futebol em consequência dos resultados desportivos alcançados".

Os rendimentos com transações de direitos de atletas superaram os 24 milhões de euros, justificados pelas alienações dos direitos dos atletas Ivan Cavaleiro e Lima para AS Monaco e Al-Ahly Dubai, respetivamente, que decorreram no primeiro trimestre de 2015/2016.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC