sicnot

Perfil

Economia

Apoio à banca agravou o défice em 12,6 mil ME e a dívida em 20,6 mil ME entre 2007 e 2015

As medidas de apoio ao sistema financeiro adotadas entre 2007 e 2015 agravaram o défice em 12,6 mil milhões de euros e a dívida em 20,6 mil milhões, em termos acumulados, informou hoje o Banco de Portugal (BdP).

Numa nota estatística hoje publicada, o BdP divulga, pela primeira vez, informação sobre o impacto das medidas de apoio ao sistema financeiro no défice e na dívida pública em termos acumulados entre 2007 e 2015, tendo como referência o Produto Interno Bruto (PIB) de 2015.

Quanto ao défice, as medidas de apoio ao sistema financeiro entre 2007 e 2015 tiveram um impacto negativo de 7% do PIB de 2015, o equivalente a 12,6 mil milhões de euros, sendo que "as principais operações foram, em 2010, a assunção de imparidades do Banco Português de Negócios pelas sociedades constituídas pelo Estado para este efeito (-1% do PIB), em 2014, a capitalização do Novo Banco (-2,8% do PIB), e, em 2015, a resolução do Banif (-1,4% do PIB)".

As medidas direcionadas ao sistema financeiro no mesmo período agravaram a dívida pública em 11,5% do PIB registado no final de 2015, ou seja, 20,6 mil milhões de euros, segundo a instituição liderada por Carlos Costa.

Segundo o Banco de Portugal, nos restantes países do euro, o impacto acumulado no défice, em percentagem do PIB de 2015, foi particularmente elevado na Irlanda (-21,7%), na Grécia (-16,8%), na Eslovénia (-13,7%) e em Chipre (-9,5%).

Ao nível do endividamento acumulado das administrações públicas dos Estados-membros, as medidas de apoio ao sistema financeiro tiveram maior reflexo, em percentagem do PIB, na dívida pública da Irlanda (31,8%), da Grécia (25,7%), de Chipre (21,0%) e da Eslovénia (17%).

Considerando apenas o ano de 2015 e os países da área do euro, o impacto no défice das medidas de apoio ao setor financeiro "foi particularmente elevado na Grécia (-4,1%), devido essencialmente à recapitalização de bancos, e em Portugal e na Eslovénia (-1,6% do PIB).

O BdP indica que os países da União Europeia transmitem informação ao Eurostat, o gabinete de estatísticas europeu, sobre o impacto das medidas de apoio ao sistema financeiro no défice e a dívida das administrações públicas.

A informação em causa refere-se às "transações com impacto nas receitas e despesas e, como tal, no défice das administrações públicas", por exemplo, através de "injeções de capital, execução de garantias e juros imputados relativos à dívida contraída para fazer face às intervenções realizadas".

Além disso, a informação reportada pelos países contempla "as responsabilidades contraídas pelas administrações públicas, incluídas na dívida pública, destinadas ao financiamento destas medidas, designadamente através da emissão de títulos de dívida ou da obtenção de empréstimos", bem como "a aquisição de ativos pelas administrações públicas".

Entre os ativos considerados estão, por exemplo, "os empréstimos concedidos no âmbito das intervenções, os títulos de dívida adquiridos, nomeadamente os instrumentos de capital contingente emitidos pelos bancos, e investimentos em ações e outras participações, em particular por via da subscrição de aumentos de capital não registados no défice", esclarece o BdP.

Finalmente, o BdP indica que os riscos potenciais associados a passivos contingentes, "tal como garantias concedidas a entidades do setor financeiro", são também incluídos na informação transmitida.

Lusa

  • Esquerda desvaloriza previsões da OCDE
    0:38

    Economia

    A OCDE reviu em baixa as suas previsões do crescimento do PIB para 1,2% este ano e 1,3% em 2017, advertindo que a política de devolução de rendimentos não terá efeitos duradouros na economia portuguesa. Piorou também a estimativa para o défice, esperando agora que atinja 2,9% este ano, e admite que o Governo português tenha de implementar novas medidas de contenção orçamental, especialmente caso a economia não acelere. O CDS salienta que a OCDE é mais uma instituição a contrariar as previsões do Governo. Os partidos que apoiam o executivo desvalorizam, embora o PCP mostre alguma preocupação com a situação do país.

  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59