sicnot

Perfil

Economia

João Amaral Tomaz deixa Banco de Portugal

O administrador do Banco de Portugal (BdP), João José Amaral Tomaz, cessou hoje funções por "razões pessoais", informou a instituição num comunicado.

No mesmo comunicado, o Conselho de Administração do Banco de Portugal destacou o contributo de João Amaral Tomaz, nas "áreas de ação sancionatória e supervisão comportamental" e no "reforço da cooperação interinstitucional com várias entidades", sem acrescentar mais detalhes.

João Amaral Tomaz estava no cargo desde setembro de 2011.

Antes, foi secretário de Estado dos Assuntos Fiscais no primeiro Governo socialista liderado por José Sócrates, trabalhando com Luís Campos e Cunha e Teixeira dos Santos como ministros das Finanças, até ser substituído por Carlos Lobo.

O ex-administrador do BdP trabalhou como mediador do crédito após sair do Governo, entre 2009 e 2011, segundo o currículo disponibilizado no site do BdP.

Na sequência da renúncia em março de António Varela como administrador, que justificou a decisão com o facto de não se identificar "o suficiente com a política e a gestão do Banco de Portugal", atualmente, o governador, Carlos Costa, é auxiliado pelos vice-governadores Pedro Duarte Neves e José Berberan Ramalho, que tem a seu cargo a área da resolução, nomeadamente a gestão do Fundo de Resolução bancário.

Como administradores, contava com João Amaral Tomaz, que tinha a seu cargo a supervisão comportamental e a ação sancionatória, mantendo-se Hélder Rosalino, com os recursos humanos, serviços administrativos e sistemas de informação.

Uma vez que são permitidos no máximo dois mandatos de cinco anos, em 2016 o vice-governador Pedro Duarte Neves, que foi nomeado pela primeira vez em 2006 e pela segunda em 2011, tem obrigatoriamente de sair do BdP.

Já Amaral Tomaz, que só fez um mandato, podia ter sido reconduzido. Também José Ramalho, que foi nomeado em 2011, poderá sair da administração ou ser reconduzido.

Entretanto, já se sabe que vão entrar dois nomes para reforçar a equipa de Carlos Costa, a eurodeputada socialista Elisa Ferreira e o presidente do banco mau BES, Máximo dos Santos.

João Amaral Tomaz nasceu em Caria (distrito de Castelo Branco), em Outubro de 1949 e é licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Economia de Lisboa (atual Instituto Superior de Economia e Gestão - ISEG).

É personalidade cooptada do Conselho de Prevenção da Corrupção e integrou o painel de especialistas do Departamento de Finanças Públicas do FMI.

Foi consultor da Agência Portuguesa para o Investimento (2004), conselheiro da Embaixada de Portugal em Londres (2002-2003), membro do grupo de alternates do Comité Económico e Financeiro (2000-2002), coordenador dos Assuntos Económicos e Financeiros na Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia (1993-2001) e membro do Comité da Política Económica da União Europeia (1993 a 2001).

Exerceu ainda funções de coordenação no Estudo da Política Fiscal, Competitividade, Eficiência e Justiça do Sistema Fiscal (2009).

É professor associado convidado no ISEG desde 2008 e lecionou no Instituto Nacional de Administração, no Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais, na Faculdade de Direito da Universidade do Porto e no Instituto do FMI.

É autor e coautor de várias obras sobre temáticas fiscais e da União Europeia e tem artigos publicados em jornais e revistas da especialidade.

Segundo a lei orgânica do Banco de Portugal, o Conselho de Administração é composto pelo governador, por um ou dois vice-governadores e por três a cinco administradores.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Sol influencia alterações climáticas na Terra

    Mundo

    As flutuações da atividade solar têm um efeito sobre o clima da Terra, concluiu um estudo de investigadores suíços, que conseguiu, pela primeira vez, estimar a influência do Sol no aquecimento do planeta.