sicnot

Perfil

Economia

Missão do FMI inicia visita a Luanda para avaliar ajuda financeira

O Fundo Monetário Internacional (FMI) inicia hoje uma missão a Luanda para avaliar o montante da assistência financeira a Angola, na sequência do pedido de ajuda feito pelas autoridades angolanas.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

A missão permanecerá até dia 14 em Angola, período em que manterá reuniões com vários membros do Governo angolano.

Segundo um comunicado enviado terça-feira à agência Lusa, o objetivo é "prosseguir com as discussões com as autoridades angolanas acerca do programa económico que será levado a cabo durante os próximos três anos".

"O grande propósito da missão é continuar as discussões sobre os principais componentes de um pacote de reformas que ajudaria a acelerar a diversificação da economia, salvaguardando a estabilidade macroeconómica e financeira", lê-se no comunicado.

O FMI ainda não definiu o montante para ajuda financeira a Angola que se inscreverá no âmbito do Programa de Financiamento Ampliado [Extended Fund Facility - EFF, na sigla em inglês].

O EFF é um instrumento financeiro de empréstimo com contrapartidas e metas monitorizadas regularmente direcionado a reformas estruturais voltadas para a diversificação da economia e reforço da balança de pagamentos.

Segundo o comunicado, mais detalhes sobre o montante da assistência financeira serão possíveis após o fim da missão.

O pedido de ajuda financeira foi feito durante os encontros de primavera do FMI e Banco Mundial, em abril, em Washington.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.