sicnot

Perfil

Economia

OCDE agrava estimativa para crescimento económico português

A OCDE reviu em baixa as suas previsões do crescimento do PIB para 1,2% este ano e 1,3% em 2017, advertindo que a política de devolução de rendimentos não terá efeitos duradouros na economia portuguesa.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Nas previsões económicas divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) piorou a sua estimativa para o crescimento económico, esperando agora que o Produto Interno Bruto (PIB) português cresça 1,2% em 2016 e 1,3% em 2017, quando em novembro antecipava avanços de 1,6% e de 1,5%, respetivamente.

Assim, a OCDE duvida que a economia portuguesa cresça ao ritmo de 1,8% previsto pelo Governo para este ano e para o próximo, de acordo com as estimativas inscritas no Programa de Estabilidade 2016-2020, remetido a Bruxelas no final de abril.

O relatório afirma que a economia cresceu menos do que a zona euro neste primeiro trimestre, apoiada num "consumo privado robusto", enquanto o investimento, pelo contrário, "caiu acentuadamente e continua a prejudicar o crescimento, devido sobretudo ao elevado endividamento privado, fraco balanços dos bancos, incerteza política e à perda do ímpeto reformista".

No documento, que foi preparado por uma equipa do departamento de Estudos Económicos liderada pelo ex-ministro Álvaro Santos Pereira, a OCDE admite que o consumo privado "pode compensar parcialmente os resultados negativos do investimento".

Mas avisa que não será sempre assim: "As políticas para impulsionar a procura interna não vão produzir efeitos duradouros".

A instituição afirma que medidas como o aumento do salário mínimo nacional, a reversão dos cortes salariais na função pública e da sobretaxa em sede de IRS "vão manter o consumo privado robusto".

"Mas o aumento da despesa em consumo sofre limitações impostas por uma taxa de poupança historicamente baixa e uma reduzida criação de emprego, levando o consumo privado a perder o vapor", diz a OCDE.

Reciprocamente, acrescenta a organização, "o investimento deve recuperar ao longo de 2017, enquanto o aumento da competitividade e a recuperação da procura extrema vão fortalecer as exportações".

"Em conjunto, estes desenvolvimentos devem apoiar um crescimento económico moderado nos dois anos", afirma.

Ainda assim, a instituição liderada por Ángel Gurría afirma que os riscos para o crescimento da economia "são maioritariamente internos e estão relacionados com o alto endividamento dos setores público e privado".

Entre os riscos está a revisão em baixa do 'rating' atribuído pela agência canadiana DBRS, "o que tornaria o acesso a financiamento externo, incluindo do Banco Central Europeu, mais difícil".

Para a OCDE, a fraca rendibilidade e peso do crédito malparado "aumentam as preocupações face à estabilidade do setor financeiro", mas considera que medidas políticas que reduzam o endividamento empresarial e 'limpem' o balanço dos bancos "podem reduzir a vulnerabilidade dos bancos e permitir mais recursos para o investimento".

A organização também piorou a estimativa para o desemprego, esperando que represente 12,1% este ano e 11,5% no próximo, quando em novembro apontava para taxas de 11,3% e 10,6%, respetivamente.

O mesmo aconteceu com a taxa de inflação, que a OCDE espera agora que seja 0,3% este ano e 0,8% no próximo, quando no 'Economic Outlook' anterior previa que fosse 0,7% este ano e 1% em 2017.

Lusa

  • Banco de Portugal melhora previsões de crescimento económico

    Economia

    O PIB vai crescer 1,8% em 2017 e regressar ao nível de 2008, de acordo com a previsão revista em alta do Banco de Portugal (BdP). No próximo ano, o desemprego deverá cair gradualmente e ficará abaixo dos 8% em 2019. Quanto às exportações, prevê que cresçam 6% em 2017.

    Em atualização

  • O Brexit começou
    1:42
  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.