sicnot

Perfil

Economia

OCDE agrava estimativa para crescimento económico português

A OCDE reviu em baixa as suas previsões do crescimento do PIB para 1,2% este ano e 1,3% em 2017, advertindo que a política de devolução de rendimentos não terá efeitos duradouros na economia portuguesa.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Nas previsões económicas divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) piorou a sua estimativa para o crescimento económico, esperando agora que o Produto Interno Bruto (PIB) português cresça 1,2% em 2016 e 1,3% em 2017, quando em novembro antecipava avanços de 1,6% e de 1,5%, respetivamente.

Assim, a OCDE duvida que a economia portuguesa cresça ao ritmo de 1,8% previsto pelo Governo para este ano e para o próximo, de acordo com as estimativas inscritas no Programa de Estabilidade 2016-2020, remetido a Bruxelas no final de abril.

O relatório afirma que a economia cresceu menos do que a zona euro neste primeiro trimestre, apoiada num "consumo privado robusto", enquanto o investimento, pelo contrário, "caiu acentuadamente e continua a prejudicar o crescimento, devido sobretudo ao elevado endividamento privado, fraco balanços dos bancos, incerteza política e à perda do ímpeto reformista".

No documento, que foi preparado por uma equipa do departamento de Estudos Económicos liderada pelo ex-ministro Álvaro Santos Pereira, a OCDE admite que o consumo privado "pode compensar parcialmente os resultados negativos do investimento".

Mas avisa que não será sempre assim: "As políticas para impulsionar a procura interna não vão produzir efeitos duradouros".

A instituição afirma que medidas como o aumento do salário mínimo nacional, a reversão dos cortes salariais na função pública e da sobretaxa em sede de IRS "vão manter o consumo privado robusto".

"Mas o aumento da despesa em consumo sofre limitações impostas por uma taxa de poupança historicamente baixa e uma reduzida criação de emprego, levando o consumo privado a perder o vapor", diz a OCDE.

Reciprocamente, acrescenta a organização, "o investimento deve recuperar ao longo de 2017, enquanto o aumento da competitividade e a recuperação da procura extrema vão fortalecer as exportações".

"Em conjunto, estes desenvolvimentos devem apoiar um crescimento económico moderado nos dois anos", afirma.

Ainda assim, a instituição liderada por Ángel Gurría afirma que os riscos para o crescimento da economia "são maioritariamente internos e estão relacionados com o alto endividamento dos setores público e privado".

Entre os riscos está a revisão em baixa do 'rating' atribuído pela agência canadiana DBRS, "o que tornaria o acesso a financiamento externo, incluindo do Banco Central Europeu, mais difícil".

Para a OCDE, a fraca rendibilidade e peso do crédito malparado "aumentam as preocupações face à estabilidade do setor financeiro", mas considera que medidas políticas que reduzam o endividamento empresarial e 'limpem' o balanço dos bancos "podem reduzir a vulnerabilidade dos bancos e permitir mais recursos para o investimento".

A organização também piorou a estimativa para o desemprego, esperando que represente 12,1% este ano e 11,5% no próximo, quando em novembro apontava para taxas de 11,3% e 10,6%, respetivamente.

O mesmo aconteceu com a taxa de inflação, que a OCDE espera agora que seja 0,3% este ano e 0,8% no próximo, quando no 'Economic Outlook' anterior previa que fosse 0,7% este ano e 1% em 2017.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.