sicnot

Perfil

Economia

Parlamento debate hoje inventariação dos bens culturais do BPN e BPP

Um projeto de resolução do Bloco de Esquerda, que determina a inventariação dos bens culturais das empresas Parvalorem, da Parups e da Fundação Elipse, vai ser discutido hoje, em plenário, a partir das 15:00, no parlamento, em Lisboa.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Trata-se do projeto de resolução n.º 335/XIII/1.ª, que determina também a inventariação de outros ativos incluídos no perímetro da nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), e à guarda do Estado, na sequência do processo de resgate do Banco Privado Português (BPP).

No requerimento, o Bloco de Esquerda (BE) alerta que o processo dos quadros de Juan Miró, provenientes da nacionalização do BPN - tornado público em 2013 -, deu a conhecer "as fragilidades dos serviços do Estado perante a vontade política do momento que (...) influencia processos técnicos de forma avessa ao interesse público".

A Parups e a Parvalorem são as sociedades de capitais públicos criadas em 2010, para gerir os ativos e recuperar os créditos do ex-BPN, cujo património continha a coleção de 85 obras de Joan Miró (1893 -1983), e mais 247 obras de arte de artistas portugueses e estrangeiros.

No ano passado, o novo Governo anunciou que a coleção Miró era para manter em Portugal e exibir no Museu de Serralves este ano, mas ainda não foram dadas respostas oficiais definitivas sobre a coleção de 175 obras de arte do BPN, que a Parvalorem anunciou que iria vender, bem como das 46 obras que a tutela do antigo secretário de Estado da Cultura Jorge Barreto Xavier, do Governo PSD/CDS, afirmou que pretendia adquirir para museus nacionais.

Os bloquistas defendem a inventariação de todos os ativos culturais do ex-BPN e do ex-BPP, e a sua conservação como "proteção do património cultural, mas também de controlo de capitais" e, ainda, o "mapeamento de bens culturais públicos distribuídos pelos edifícios e entidades públicas".

As votações estão previstas para o final da sessão de quinta-feira.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06