sicnot

Perfil

Economia

Armazéns britânicos BHS vão fechar devido a problemas financeiros

A cadeia de armazéns britânica BHS, que tem cerca de 11 mil empregados, anunciou hoje que vai fechar por não ter encontrado comprador para o negócio.

© Phil Noble / Reuters

A Duff & Phelps, que desde abril tem a seu cargo a administração judicial da cadeia de roupas e artigos domésticos, informou hoje que as 163 lojas vão iniciar nas próximas semanas um período de saldos antes do encerramento.

"Apesar dos esforços consideráveis dos administradores e da direção da BHS, não foi possível chegar a acordo para a venda da empresa", indicou a Duff & Phelps em comunicado, manifestando preocupação com a situação dos funcionários e agradecendo o seu profissionalismo.

A cadeia de armazéns, fundada em 1928, tem dívidas avaliadas em 1.300 milhões de libras (1.677 milhões de euros), uma soma que inclui um défice no fundo de pensões dos empregados de 571 milhões de libras (736 milhões de euros).

Lusa

  • Morreu Miguel Beleza, antigo ministro das Finanças e governador do BdP
    1:34
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.