sicnot

Perfil

Economia

Armazéns britânicos BHS vão fechar devido a problemas financeiros

A cadeia de armazéns britânica BHS, que tem cerca de 11 mil empregados, anunciou hoje que vai fechar por não ter encontrado comprador para o negócio.

© Phil Noble / Reuters

A Duff & Phelps, que desde abril tem a seu cargo a administração judicial da cadeia de roupas e artigos domésticos, informou hoje que as 163 lojas vão iniciar nas próximas semanas um período de saldos antes do encerramento.

"Apesar dos esforços consideráveis dos administradores e da direção da BHS, não foi possível chegar a acordo para a venda da empresa", indicou a Duff & Phelps em comunicado, manifestando preocupação com a situação dos funcionários e agradecendo o seu profissionalismo.

A cadeia de armazéns, fundada em 1928, tem dívidas avaliadas em 1.300 milhões de libras (1.677 milhões de euros), uma soma que inclui um défice no fundo de pensões dos empregados de 571 milhões de libras (736 milhões de euros).

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.