sicnot

Perfil

Economia

CMVM proíbe vendas a descoberto sobre as ações do BCP

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu as vendas a descoberto de ações do Millennium BCP. "Considerando que a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo, a CMVM decide a proibição das vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português no Euronext Lisbon", adiantou em comunicado.

Explicou ainda que "esta proibição tem efeitos a partir das 00:00 de 2 de junho até às 23:59 do mesmo dia".

Ontem, o Goldman escreveu uma nota em que identifica "os bancos mais expostos" a comparações com o Banco Popular espanhol, que surpreendeu com um aumento de capital, e que tem um rácio de Texas pelo menos três vezes superior à mediana do sector.

Além do BCP, destacam-se também os italianos Monte dei Paschi, Banca Popolare de Milano, Banco Popolare, Banca Emilia Romagna e UBI Banca. O Bank of Ireland também integra esta lista.

Desde ontem, as ações do BCP deixaram de integrar o índice MSCI de agências globais e passaram para o índice MSCI de pequenas capitalizadas.

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.