sicnot

Perfil

Economia

CMVM proíbe vendas a descoberto sobre as ações do BCP

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu as vendas a descoberto de ações do Millennium BCP. "Considerando que a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo, a CMVM decide a proibição das vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português no Euronext Lisbon", adiantou em comunicado.

Explicou ainda que "esta proibição tem efeitos a partir das 00:00 de 2 de junho até às 23:59 do mesmo dia".

Ontem, o Goldman escreveu uma nota em que identifica "os bancos mais expostos" a comparações com o Banco Popular espanhol, que surpreendeu com um aumento de capital, e que tem um rácio de Texas pelo menos três vezes superior à mediana do sector.

Além do BCP, destacam-se também os italianos Monte dei Paschi, Banca Popolare de Milano, Banco Popolare, Banca Emilia Romagna e UBI Banca. O Bank of Ireland também integra esta lista.

Desde ontem, as ações do BCP deixaram de integrar o índice MSCI de agências globais e passaram para o índice MSCI de pequenas capitalizadas.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.