sicnot

Perfil

Economia

Cancelados 8 voos com destino e partida de Lisboa e Porto para aeroportos franceses

Oito voos com destino e partida para aeroportos franceses foram hoje cancelados de acordo com informação da ANA - Aeroportos de Portugal, dia em que os controladores aéreos franceses convocaram uma nova greve.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

MARIO CRUZ

O voo das 12:00 com destino a Paris-Orly, a partir do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, foi cancelado, bem como o que chegaria proveniente do mesmo aeroporto francês à capital portuguesa pelas 17:35.

Já no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, são seis os voos afetados, com o cancelamento nas viagens com destino a Lille (11:35), Dole (12:00) e Bordéus (12:45), bem como os três que chegariam ao norte do país provenientes de Bordéus (16:30), Lille (16:50) e Dole (17:03).

Os sindicatos dos controladores aéreos franceses convocaram para quinta-feira uma nova greve, que se junta à paralisação de três dias que decorrerá a partir de sexta-feira.

A Usac-CGT, principal sindicato da aviação civil, refere que esta greve reclama a retirada total da reforma laboral, contestada desde meados de fevereiro.

Segundo a agência noticiosa Efe, a companhia aérea Ryanair informou na quarta-feira que foi forçada a cancelar mais de 75 voos para hoje e a Vueling aconselhou todos os que vão viajar a consultar a lista de voos afetados.

Esta nova jornada de protesto acresce à greve anunciada para vigorar entre 3 e 5 de junho, em defesa das condições laborais do setor.

  • Tensão social em França a uma semana do Europeu
    1:31

    Mundo

    A uma semana do Europeu, a tensão social na França aumenta. Os trabalhadores das centrais nucleares voltam hoje à greve e prometem afetar a distribuição de energia. É mais um protesto contra a reforma da lei laboral. O SNCF é o transportador oficial do Euro 2016 e está em greve pela 8ª vez desde março.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.