sicnot

Perfil

Economia

OPEP garante que mercado petrolífero se está a equilibrar

O secretário-geral da OPEP, o líbio Abdalá El Badri, assegurou hoje, antes da reunião ministerial da organização, que o mercado petrolífero se está a equilibrar e que os preços devem ser fixados pela oferta e pela procura.

© Sergei Karpukhin / Reuters

"O mercado começou a equilibrar-se por si só. É um processo que vai continuar até ao final do ano", declarou ainda El Badri, secretário cessante da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), citado pela Efe.

"Não temos um objetivo de preços, será o mercado a ditá-los", adiantou.

Um dos temas da agenda da reunião de hoje da OPEP em Viena é precisamente escolher, consensualmente, um sucessor para substituir El Badri no cargo.

A falta de consenso no seio do grupo - sobretudo entre a Arábia Saudita e o Irão - para nomear um sucessor originou a manutenção em funções do líbio em várias ocasiões nos últimos anos.

Os ministros da OPEP reúnem-se em Viena numa altura em que o preço do petróleo tem registado nas últimas semanas uma tendência para a alta, estando agora em torno dos 50 dólares.

Contudo, para alguns representantes, como o ministro da Energia do Qatar, Mohamed bin Saleh el Sada, 50 dólares por barril "não é um preço justo".

Também o ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Al Mazrouei, espera que a apreciação do petróleo continue nos próximos meses.

"O petróleo está a recuperar-se, mas ainda não é suficiente. Ainda precisamos que o petróleo se aprecie um pouco mais para que possamos sustentar os investimentos no setor petrolífero", assegurou.

Por outro lado, o novo ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Jalid al Falih, assegurou hoje que o seu país procura a estabilidade do mercado e não quer um 'choque' petrolífero que ponha em perigo a recuperação económica.

Na opinião de Al Falih, o mercado deve impôr os preços. "Acredito que os mercados devem impor os preços. Não acredito que haja quem quer que seja que possa fazê-lo. Os preços subiram demasiado e também baixaram demasiado e estiveram muito tempo num nível demasiado baixo", defendeu.

"Agora os preços estão em alta e acredito que atingirão um nível moderado para permitir o investimento", concluiu.

Também o ministro venezuelano, Eulogio del Pino, apoiou a "reivindicação do papel da OPEP" para defender um preço justo, que permita realizar os investimentos necessários para garantir o fornecimento energético.

Recentemente, os analistas da OPEP alertaram para que a queda do investimento devido aos preços baixos poderia pôr em perigo o futuro abastecimento devido a uma quebra da descoberta e explorações de novas jazidas.

Lusa

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC