sicnot

Perfil

Economia

OPEP garante que mercado petrolífero se está a equilibrar

O secretário-geral da OPEP, o líbio Abdalá El Badri, assegurou hoje, antes da reunião ministerial da organização, que o mercado petrolífero se está a equilibrar e que os preços devem ser fixados pela oferta e pela procura.

© Sergei Karpukhin / Reuters

"O mercado começou a equilibrar-se por si só. É um processo que vai continuar até ao final do ano", declarou ainda El Badri, secretário cessante da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), citado pela Efe.

"Não temos um objetivo de preços, será o mercado a ditá-los", adiantou.

Um dos temas da agenda da reunião de hoje da OPEP em Viena é precisamente escolher, consensualmente, um sucessor para substituir El Badri no cargo.

A falta de consenso no seio do grupo - sobretudo entre a Arábia Saudita e o Irão - para nomear um sucessor originou a manutenção em funções do líbio em várias ocasiões nos últimos anos.

Os ministros da OPEP reúnem-se em Viena numa altura em que o preço do petróleo tem registado nas últimas semanas uma tendência para a alta, estando agora em torno dos 50 dólares.

Contudo, para alguns representantes, como o ministro da Energia do Qatar, Mohamed bin Saleh el Sada, 50 dólares por barril "não é um preço justo".

Também o ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Al Mazrouei, espera que a apreciação do petróleo continue nos próximos meses.

"O petróleo está a recuperar-se, mas ainda não é suficiente. Ainda precisamos que o petróleo se aprecie um pouco mais para que possamos sustentar os investimentos no setor petrolífero", assegurou.

Por outro lado, o novo ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Jalid al Falih, assegurou hoje que o seu país procura a estabilidade do mercado e não quer um 'choque' petrolífero que ponha em perigo a recuperação económica.

Na opinião de Al Falih, o mercado deve impôr os preços. "Acredito que os mercados devem impor os preços. Não acredito que haja quem quer que seja que possa fazê-lo. Os preços subiram demasiado e também baixaram demasiado e estiveram muito tempo num nível demasiado baixo", defendeu.

"Agora os preços estão em alta e acredito que atingirão um nível moderado para permitir o investimento", concluiu.

Também o ministro venezuelano, Eulogio del Pino, apoiou a "reivindicação do papel da OPEP" para defender um preço justo, que permita realizar os investimentos necessários para garantir o fornecimento energético.

Recentemente, os analistas da OPEP alertaram para que a queda do investimento devido aos preços baixos poderia pôr em perigo o futuro abastecimento devido a uma quebra da descoberta e explorações de novas jazidas.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.