sicnot

Perfil

Economia

Aprovação de rendimento básico na Suíça seria "salvação para muitos" portugueses

A aprovação em referendo de um rendimento básico incondicional na Suíça, que será votado no domingo, "seria uma tábua de salvação para muitos" portugueses "em situação precária", reconhecem conselheiros das comunidades.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Muita gente tem vindo para a Suíça e está numa situação apenas de sobrevivência", alerta Domingos Pereira, conselheiro das Comunidades Portuguesas em Zurique.

Em declarações à Lusa, Domingos Pereira estima que "seguramente" 70% dos "280 e tal mil" imigrantes portugueses registados na Suíça beneficiariam de um rendimento básico incondicional, medida que será referendada no domingo, depois de ter sido proposta por 100 mil subscritores, que sugeriram o valor base de 2500 francos (2250 euros), por mês e por adulto.

A "baixíssima" taxa de desemprego na Suíça não corresponde à realidade, frisa Domingos Pereira, recordando que "o trabalho temporário é uma vertente muito forte e isso quer dizer que as pessoas trabalham à hora, à jornada e, portanto, não havendo trabalho, não há ordenado".

Segundo o conselheiro em Zurique, muitos portugueses estão nessa situação, sobretudo os imigrantes mais recentes, que são mais vulneráveis.

Mas o rendimento básico incondicional não se dirige a esses, mas aos que já estão registados no país, de forma a garantir um rendimento mínimo para todos, que substitua os vários benefícios sociais do país.

"Seria uma boa medida para muitas famílias portuguesas, mais favorável do que uma ajuda da assistência social", compara Domingos Pereira.

"A nossa comunidade é uma comunidade dedicada ao trabalho", corrobora José Sebastião, conselheiro das Comunidades Portuguesas em Genebra.

"Homens e mulheres trabalham durante o dia na sua atividade principal e, à noite, ainda se dedicam a atividades secundárias, como as limpezas", relata.

"Os portugueses trabalham muitas horas", resume, destacando que "o custo de vida na Suíça é elevadíssimo".

Esta situação, por resultar em falta de tempo para a família, explica os problemas de integração da comunidade portuguesa e a elevada taxa de insucesso escolar das crianças portuguesas, considera o conselheiro. "Os pais, muitas vezes, trabalham muitas horas, não podendo dedicar o tempo necessário aos seus filhos", lamenta.

Para além disso, os serviços sociais na Suíça "têm falta de dinheiro" e, em vez de aí gastar "milhares", o Estado passaria a assegurar "um salário base", que permitiria às pessoas "viver minimamente", defende.

Independentemente do resultado do referendo, que nunca será vinculativo, a proposta "abrirá o debate sobre a atual sociedade, onde os pais não têm tempo para os filhos, nem os filhos para os pais", realça José Sebastião.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.