sicnot

Perfil

Economia

BCP desistiu da venda do ActivoBank

O Banco Comercial Português (BCP) terminou hoje o processo de avaliação de cenários estratégicos para o ActivoBank, que decidiu manter no grupo devido à sua capacidade para gerar valor, divulgou o banco em comunicado.

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

De acordo com um comunicado publicado na página da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) na internet, o BCP "concluiu hoje o processo de avaliação de vários cenários estratégicos para valorização do ActivoBank, o banco online de referência em Portugal".

O banco informou da sua decisão "pela manutenção do ActivoBank no perímetro do Grupo BCP em função da sua capacidade de geração de valor no contexto da evolução esperada para o modelo de negócio bancário do BCP".

O BCP tinha anunciado há um mês que ia vender o ActivoBank à gestora de fundos private equity Cabot Square Capital, com quem estava em negociações, caso fosse conseguido um entendimento entre as partes.

No final de março, o BCP informou, em comunicado à CMVM, que tinha selecionado a Cabot Square Capital para negociar, "com caráter de exclusividade", a venda do seu banco 'online' Activobank.

O ActivoBank teve em 2015 lucros de 33 milhões de euros, que comparam com os cinco milhões de 2014.

O BCP tinha já lançado a operação de venda do ActivoBank no ano passado, mas interrompeu-a em outubro devido a questões técnicas relacionadas com as relações dentro do grupo, tendo retomado este processo no decorrer deste ano.

Lusa

  • Ações do BCP caem 25% em três dias

    Economia

    O BCP está a afundar-se na bolsa. Em apenas três dias as ações cairam 25%, valem agora menos de 2 cêntimos e meio. Os títulos já estavam a descer há algum tempo, mas o grande tombo começou esta quarta-feira, depois do Banco ter saído de um dos principais índices bolsistas do mundo.

  • CMVM proíbe vendas a descoberto sobre as ações do BCP

    Economia

    A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu as vendas a descoberto de ações do Millennium BCP. "Considerando que a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo, a CMVM decide a proibição das vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português no Euronext Lisbon", adiantou em comunicado.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.