sicnot

Perfil

Economia

BCP volta a afundar na bolsa de Lisboa

Depois de ter perdido um quarto do valor em apenas três dias, o BCP voltou a afundar na bolsa de Lisboa. As ações do banco liderado por Nuno Amado caíram quase 8% e valem agora cerca de dois cêntimos.

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

A grande queda começou na quarta-feira passada, depois de o BCP ter saído de um dos principais índices bolsistas do mundo.

Há vários fatores a pressionar as ações: o banco precisa de um aumento de capital até ao final do ano para cumprir as exigências do Banco Central Europeu e, prometeu antecipar o pagamento do dinheiro que deve ao Estado.

A somar a isto, a intenção de avançar na compra do Novo Banco faz com que os investidores fiquem ainda mais receosos.

  • Ações do BCP caem 25% em três dias

    Economia

    O BCP está a afundar-se na bolsa. Em apenas três dias as ações cairam 25%, valem agora menos de 2 cêntimos e meio. Os títulos já estavam a descer há algum tempo, mas o grande tombo começou esta quarta-feira, depois do Banco ter saído de um dos principais índices bolsistas do mundo.

  • CMVM proíbe vendas a descoberto sobre as ações do BCP

    Economia

    A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu as vendas a descoberto de ações do Millennium BCP. "Considerando que a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo, a CMVM decide a proibição das vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português no Euronext Lisbon", adiantou em comunicado.

  • Ações do BCP caem para mínimos históricos

    Economia

    As ações do BCP caíram hoje para mínimos históricos dos últimos quatro anos depois do relatório da Goldman Sachs, que alerta para a vulnerabilidade do banco. O relatório foi publicado depois do aumento de capital do Banco Popular, que surpreendeu os mercados.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48