sicnot

Perfil

Economia

BCP volta a afundar na bolsa de Lisboa

Depois de ter perdido um quarto do valor em apenas três dias, o BCP voltou a afundar na bolsa de Lisboa. As ações do banco liderado por Nuno Amado caíram quase 8% e valem agora cerca de dois cêntimos.

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

A grande queda começou na quarta-feira passada, depois de o BCP ter saído de um dos principais índices bolsistas do mundo.

Há vários fatores a pressionar as ações: o banco precisa de um aumento de capital até ao final do ano para cumprir as exigências do Banco Central Europeu e, prometeu antecipar o pagamento do dinheiro que deve ao Estado.

A somar a isto, a intenção de avançar na compra do Novo Banco faz com que os investidores fiquem ainda mais receosos.

  • Ações do BCP caem 25% em três dias

    Economia

    O BCP está a afundar-se na bolsa. Em apenas três dias as ações cairam 25%, valem agora menos de 2 cêntimos e meio. Os títulos já estavam a descer há algum tempo, mas o grande tombo começou esta quarta-feira, depois do Banco ter saído de um dos principais índices bolsistas do mundo.

  • CMVM proíbe vendas a descoberto sobre as ações do BCP

    Economia

    A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu as vendas a descoberto de ações do Millennium BCP. "Considerando que a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo, a CMVM decide a proibição das vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português no Euronext Lisbon", adiantou em comunicado.

  • Ações do BCP caem para mínimos históricos

    Economia

    As ações do BCP caíram hoje para mínimos históricos dos últimos quatro anos depois do relatório da Goldman Sachs, que alerta para a vulnerabilidade do banco. O relatório foi publicado depois do aumento de capital do Banco Popular, que surpreendeu os mercados.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.