sicnot

Perfil

Economia

França opõe-se a sanções contra Portugal por violação de regras europeias

A França opõe-se a sanções contra Portugal e Espanha por estes países não terem cumprido o Pacto de Estabilidade e Crescimento, nomeadamente as regras que preveem sanções a um país que tenha um défice orçamental superior a 3% do PIB.

reuters

O ministro das Finanças da França, Michel Sapin, assegurou ao diário espanhol El País, citado na edição de hoje, que o seu país será "condescendente" com Portugal e Espanha e adiantou que a Alemanha e a Comissão Europeia também o serão.

A Comissão Europeia propôs, em maio, que se abra um procedimento por défice excessivo contra Portugal e Espanha, mas que seja dado "mais um ano, e apenas mais um ano", a estes países para colocar o seu défice abaixo dos 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

O executivo comunitário "levou em linha de conta o momento do ciclo económico atual", e no qual é necessário dar sinais "de respeito das regras", mas também "de apoio à economia", com vista à retoma.

A decisão final sobre a aplicação de sanções que poderiam implicar a suspensão de fundos comunitários será ser tomada pelos ministros das Finanças da União Europeia na reunião de julho, depois das eleições legislativas em Espanha.

Michel Sapin manifesta uma opinião idêntica ao do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, que esteve no congresso do PS, em Lisboa, durante o fim de semana, e disse que é "contra" as sanções por incumprimento do défice orçamental de 2015.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.