sicnot

Perfil

Economia

Economia da zona euro cresce 1,7% no 1º trimestre

A economia da zona euro cresceu 1,7% no primeiro trimestre do ano, face ao período homólogo de 2015, e 0,6% na comparação com o último trimestre de 2015, divulgou hoje o Eurostat.

Também o Produto Interno Bruto da União Europeia cresceu entre janeiro e março, 1,8% em termos homólogos e 0,5% na comparação com o período entre outubro e dezembro de 2015.

No último trimestre do ano passado, o PIB da zona euro tinha crescido 1,7% e o da UE 2,0% na variação homóloga e, respetivamente, 0,4% e 0,5% em cadeia.

Em Portugal, entre janeiro e março, a economia cresceu 0,9% face ao primeiro trimestre de 2015 e 0,2% face aos últimos três meses do ano passado.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, na comparação homóloga e nos 25 Estados-membros para os quais há dados disponíveis, a Suécia e a Roménia (4,2% cada) foram os países cujas economias mais cresceram, seguindo-se a Eslováquia (3,7%) e a Espanha (3,4%).

A Grécia (-1,4%) foi o único Estado-membro cujo PIB se contraiu.

Face ao período entre outubro e dezembro de 2015, a Roménia (1,6%), Chipre (0,9%), a Espanha, a Lituânia, a Áustria e a Eslováquia (0,8%) registaram os maiores crescimentos do PIB, enquanto as quebras mais importantes foram observadas na Hungria (-0,8%), na Grécia (-0,5%) e na Polónia (-0,1%).


Lusa

  • BCE diz que economia da zona euro deve crescer 1,6% em 2016
    1:13

    Economia

    Na reunião do Conselho de Governadores do BCE que decorreu hoje, Mário Draghi estimou ainda que o PIB aumente 1,7% em 2017 e 208. O presidente do BCE defendeu que os países devem concentrar-se na aplicação das reformas estruturais e tomar medidas para aumentar a produtividade. Mario Draghi sublinha que é sobretudo o consumo interno que está a promover a recuperação económica, ao contrário das exportações que continuam em queda.

  • OCDE mais pessimista para zona euro

    Economia

    A OCDE piorou as estimativas de crescimento económico da zona euro para 1,6% este ano e 1,7% no próximo, defendendo que os diferentes governos devem fazer mais para acelerar o PIB dos países da moeda única europeia.