sicnot

Perfil

Economia

Ucrânia pretende retomar compra de gás à Rússia

A Ucrânia pretende retomar, a partir de julho, a compra de gás à Rússia, depois de a ter suspendido para privilegiar o abastecimento através de países europeus, disse hoje o gigante russo Gazprom.

O Presidente ucraniano afirmou hoje que Kiev e Moscovo não alcançaram um acordo para resolver o diferendo sobre o fornecimento de gás russo à Ucrânia, manifestando, porém, esperança de que os dois países vão encontrar uma solução em breve.

O Presidente ucraniano afirmou hoje que Kiev e Moscovo não alcançaram um acordo para resolver o diferendo sobre o fornecimento de gás russo à Ucrânia, manifestando, porém, esperança de que os dois países vão encontrar uma solução em breve.

© Gleb Garanich / Reuters

Contudo, a empresa de gás ucraniana Naftogaz frisou que o negócio só avança se obtiver um preço satisfatório.

"Recebemos (segunda-feira) uma carta oficial da direção da Naftogaz a pedir para retomar as entregas de gás russo", referiu o diretor-geral da Gazprom, Alexei Miller, em comunicado.

"Ela respeita a nove meses: o segundo semestre de 2016 e o primeiro trimestre de 2017", acrescentou.

O 'patrão' da Gazprom considerou que a mudança de posição da Naftogaz "é compreensível", tendo em conta o declínio registado recentemente nas compras dos países europeus.

À televisão ucraniana, o diretor-geral da Naftogaz, Andrii Kobolev, confirmou na segunda-feira à noite que a empresa pretende "retomar as compras do gás russo no terceiro trimestre".

"Se a Gazprom aceitar mudanças temporárias no contrato em vigor e, neste caso em particular, se o preço for mais baixo do que o oferecido no lado europeu, será de bom senso comprar-lhe o gás para minimizar os gastos dos consumidores", explicou.

Nos últimos meses, a Ucrânia tem-se abastecido principalmente a partir de Eslováquia, Polónia e Hungria

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.