sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal corta previsões de crescimento para 1,3% este ano

O Banco de Portugal reviu hoje em baixa as projeções de crescimento económico, esperando um aumento de 1,3% este ano e que, em 2018, o nível do PIB esteja próximo mas abaixo do registado antes da crise de 2008.

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o Boletim Económico de junho divulgado hoje, o Banco de Portugal (BdP) antecipa que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 1,3% este ano (contra os 1,5% previstos em março), acelerando para os 1,6% em 2017 (abaixo dos 1,7% antecipados há três meses) e diminuindo ligeiramente para os 1,5% em 2018 (contra os 1,6% anteriormente projetados).

Estas previsões são mais pessimistas do que as do Governo, que em abril antecipou que o PIB crescesse 1,8% este ano e no próximo, acelerando o ritmo de crescimento ligeiramente nos anos seguintes, para os 1,9% em 2018 e para os 2% em 2020.

A instituição liderada por Carlos Costa indica que a atividade económica deverá apresentar uma "recuperação moderada" até 2016, que será "ligeiramente inferior à projetada para a área do euro", acrescentando que, em 2018, o nível do PIB deverá estar "próximo mas ainda abaixo do observado antes da crise financeira internacional de 2008".

Esta evolução esperada para a economia portuguesa até 2018 "é compatível com a continuação da redução do nível de alavancagem do setor privado, condição indispensável para assegurar um padrão de crescimento sustentável da economia portuguesa nos próximos anos".

Quanto às componentes do PIB, o BdP espera que o consumo privado registe "um crescimento robusto em 2016" para depois "desacelerar progressivamente no restante horizonte de projeção, em linha com a evolução do rendimento disponível real".

Depois de em 2015 ter crescido 2,6%, o consumo privado deverá aumentar 2,1% em 2016, desacelerando o ritmo de crescimento para 1,7% no ano seguinte e 1,3% em 2018.

A instituição escreve que, em 2017, "o rendimento disponível deverá continuar a beneficiar das medidas de reposição de rendimento" incluídas no Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), mas que, em 2018, o rendimento disponível das famílias "deverá registar um abrandamento, em particular ao nível das remunerações líquidas, atendendo à dissipação do impacto positivo da reposição dos cortes salariais no setor público e da eliminação da sobretaxa ao imposto sobre o rendimento das famílias no período 2015-2017".

Assim, entre 2016 e 2018, o BdP espera que haja "um aumento da taxa de poupança para valores em torno de 5%", depois de este indicador ter caído para os 4,2% no final do ano passado.

Por outro lado, a projeção aponta para "uma variação marginal do investimento em 2016", que deverá ser seguida de "crescimentos relativamente robustos em 2017 e 2018, escreve o BdP, acrescentando que "o contexto de maior incerteza, quer interna quer externa, que caracterizou a segunda metade de 2015 e o início de 2016, terá condicionado de forma marcada a evolução da FBCF [Formação Bruta de Capital Fixo] nos trimestres recentes".

O banco central espera que o investimento cresça apenas 0,1% este ano, acelerando o ritmo de crescimento para os 4,3% em 2017 e para os 4,6% em 2018.

A instituição alerta para que "a eventual persistência de um quadro de incerteza pode continuar a determinar um adiamento de decisões de investimento, com impacto no ritmo de recuperação da economia" e acrescenta que, "esta possibilidade, a concretizar-se, reveste-se de particular importância num contexto em que o capital por trabalhador na economia portuguesa se tem mantido em níveis relativamente baixos quando comparados com a média da área do euro".

Do lado das exportações, antecipa-se "uma desaceleração em 2016, que reflete a evolução das exportações de combustíveis e o menor crescimento da procura externa dirigida aos exportadores portugueses".

Em concreto, o BdP refere que as exportações para algumas economias de mercados emergentes, "com destaque para Angola", deverão continuar a ter "um contributo negativo e significativo para a variação das exportações totais em 2016".

As projeções do banco central apontam para que, depois de terem crescido 5,2% no ano passado, as exportações apresentem um aumento de 1,6% este ano, acelerando para os 4,7% nos dois anos seguintes.

Já as importações, que cresceram 7,4% em 2015, deverão aumentar 2,8% este ano, 4,9% no próximo e 4,8% em 2018.

No que se refere à inflação, espera-se que aumente "progressivamente ao longo do horizonte de projeção", de 0,5% em 2015 para 0,7% em 2016, para 1,4% em 2017 e para 1,5% em 2018, o que representa uma revisão em alta face às projeções apresentadas em março, "refletindo a incorporação da informação mais recente relativa ao IHPC [índice harmonizado de preços ao consumidor] e a revisão da hipótese relativa ao preço do petróleo".

Lusa

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.