sicnot

Perfil

Economia

Estado espera hoje arrecadar até 1.000 M€ em emissões a 5 e a 9 anos

O Estado regressa hoje ao mercado e espera arrecadar até 1.000 milhões de euros através de dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a cinco e a nove anos.

(LUSA/ Arquivo)

Na semana passada, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) afirmou que a emissão vai ocorrer esta manhã, realizando-se dois leilões de OT, um com maturidade em abril de 2021 e outro em outubro de 2025, com montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.

Esta será a segunda emissão de longo prazo deste trimestre, depois de a 11 de maio o IGCP ter colocado no mercado 1.150 milhões de euros através deste instrumento, embora com uma maturidade diferente (10 anos), com uma taxa de 3,252%.

No último leilão de OT a cinco anos, que ocorreu a 23 de março, o IGCP colocou 504 milhões de euros a uma taxa de juro de 1,84%.

O mais recente leilão de OT a nove anos ocorreu a 08 de outubro de 2014, com Portugal a angariar 1.000 milhões de euros a uma taxa de juro de 1,85%.

De acordo com as linhas de atuação do segundo trimestre, o IGCP prevê emissões de OT através da combinação de sindicatos e leilões, sendo esperadas colocações de 1.000 a 1.250 milhões de euros por leilão.

Já no que diz respeito à emissão da dívida de curto prazo, o calendário da entidade para o segundo trimestre aponta para a realização de seis leilões de Bilhetes do Tesouro (BT), oscilando o montante indicativo global entre os 750 milhões e os 1.500 milhões de euros.

Até ao momento, neste segundo trimestre, o IGCP angariou já 1.150 milhões de euros em OT e 1.830 milhões em BT.

Lusa

  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08
  • Reveladas escutas telefónicas entre Sócrates e Ricardo Salgado
    2:39

    Operação Marquês

    Após ser detido em 2014, Ricardo Salgado recebeu uma chamada de José Sócrates a dar o seu apoio. Nas escutas é possível perceber que o antigo primeiro-ministro fala de admiração pelo ex-banqueiro, depois de Sócrates ter garantido, na semana passada na RTP, que a relação com Ricardo Salgado era apenas institucional. Noutra conversa de Sócrates, desta vez com o advogado Daniel Proença de Carvalho, o ex-primeiro-ministro criticou Marcelo Rebelo de Sousa, quando este ainda era comentador e tinha comentado a queda do BES.