sicnot

Perfil

Economia

Grécia vive nova onda de greves na saúde e transportes públicos

A Grécia enfrenta hoje uma nova onda de greves contra os cortes que o Governo aplicou para satisfazer os credores, com paralisações na saúde e nos transportes públicos.

© Alkis Konstantinidis / Reuters

Devido a uma greve de 24 horas, os hospitais e centros de saúde públicos apenas oferecerão os serviços mínimos.

Os trabalhadores do setor da saúde exigem um financiamento adequado do sistema, a contratação de pessoal permanente, dignidade para os jovens médicos e saúde pública gratuita, protestando ainda contra cortes de até 50% em pensões complementares.

Os transportes públicos de Atenas, por seu lado, vivem hoje uma paralisação de quatro horas que vai ter início às 12:00 (10:00 em Lisboa) e afetará linhas de metro, elétricos e comboios suburbanos.

Os protestos são contra os planos para incluir o transporte público no 'super fundo' de privatização acordado entre o Governo de Alexis Tsipras e os credores.

Além disso, os trabalhadores do transporte público protestam contra os atrasos na assinatura do seu contrato coletivo.

As paralisações nos transportes urbanos vão continuar pontualmente nos próximos dias.

Por outro lado, a federação de professores também está em greve devido à falta de pessoal docente; tal como os estivadores do porto do Pireu que prosseguem hoje a sua paralisação para exigir garantias laborais em face da privatização dos portos.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.