sicnot

Perfil

Economia

Draghi diz que há poucas razões económicas para abrandar reformas estruturais

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, apelou hoje aos diferentes Governos da zona euro para prosseguirem com as reformas estruturais, defendendo que atrasar essas medidas terá um custo "demasiado elevado".

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu

© Yves Herman / Reuters

"Há muitas razões políticas para atrasar as reformas estruturais, mas poucas razões económicas para o fazer. O custo de as atrasar é demasiado elevado", afirmou hoje Mario Draghi, no Fórum Económico de Bruxelas, que decorre na capital belga.

Para o presidente do BCE, dada a interação que existe entre as diferentes políticas económicas, "é do interesse de todos que as diferentes formas de política se apoiem umas às outras, nem que seja porque isso reduziria o tempo para as reformas produzirem os seus efeitos".

Mario Draghi iniciou o seu discurso em Bruxelas afirmando que "a política monetária não existe no vazio" e defendendo a relevância das restantes políticas económicas, que podem "reforçar ou diluir" os efeitos da política do BCE.

"A política monetária pode ser decisiva para apoiar a procura, estabilizar as expectativas de inflação e para prevenir efeitos de segunda linha nos preços e nos salários, e é isso que o BCE tem feito nos últimos dois anos. Mas a orientação de outras políticas também influencia o regresso do produto ao seu potencial. Por isso, se outras políticas não estão alinhadas com a política monetária, arriscamos a que a inflação atinja o seu objetivo [de ficar próxima, mas abaixo de 2% no médio prazo] num ritmo mais lento", defendeu.

Nesse sentido, o líder do BCE destacou um conjunto de políticas que, a nível financeiro e orçamental, influenciam a economia no seu todo.

"A consolidação orçamental em alguns países foi implementada sobretudo através do aumento dos impostos e não no corte da despesa (...), atrasou o regresso do produto ao seu potencial", considerou, admitindo que isso não teria acontecido caso a política orçamental fosse "mais encorajadora".

Mario Draghi defendeu ainda a necessidade de continuar - e avançar - com as "reformas estruturais corretas", o que pode criar as condições para "o BCE regressar às políticas de taxas de juro convencionais como forma de alcançar a estabilidade de preços".

Considerando que na zona euro foram implementadas várias reformas estruturais com resultados nos últimos anos, o presidente do BCE afirmou que "ainda há muitos mais benefícios que podem ser alcançados e muito que ainda pode ser feito".

Mario Draghi exemplificou com Portugal, considerando que "as reformas no mercado de trabalho, introduzidas durante o programa de ajustamento, reduziram a taxa de desemprego cerca de três pontos percentuais no período 2011-2014".

Por fim, o líder do BCE considerou que a incerteza quanto à estabilidade da zona euro também influencia a política monetária, "porque também pode abrandar os seus efeitos", defendendo ser necessário "restaurar a clareza e a confiança no sistema institucional da zona euro".

Assim, concluiu, "todas as áreas políticas têm o seu papel" e "todos os decisores políticos têm uma motivação forte" para avançar com as reformas.

"O tempo é importante. Um regresso muito lento da economia ao seu potencial está longe de ser inócuo. Pelo contrário, tem consequências económicas duradouras no tempo, uma vez que pode levar à erosão desse potencial", disse.

Nesse sentido, Mario Draghi defendeu que elevar o produto para perto do seu potencial "está relacionado, acima de tudo, com as reformas estruturais" no emprego e na produtividade, considerando que em ambas as áreas "há margem" na zona euro para o fazer.

Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.