sicnot

Perfil

Economia

Governo espera que negociações evitem greves na aviação

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou hoje que o Governo está a acompanhar as negociações no setor da aviação e disse esperar que as greves não se realizem.

© Paulo Whitaker / Reuters

"Estamos a acompanhar com as empresas a situação, sabemos que estão em curso negociações entre os sindicatos e as empresas e, obviamente, desejamos que as coisas cheguem a bom porto para que estas greves, no limite, se for o caso, não se cheguem a realizar", referiu Pedro Marques à margem de uma visita a uma fábrica na Golegã.

O ministro comentava as duas greves que poderão ocorrer no setor da aviação: uma que envolve os trabalhadores dos serviços de assistências nos aeroportos ('handling') e outra que envolve os tripulantes da TAP.

No passado dia 02 de junho, o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) anunciou um pré-aviso de greve para os dias 01,02 e 03 de julho contra a precariedade dos trabalhadores do 'handling' que abrange, não só as empresas Groundforce e Portway, mas também todos os trabalhadores de empresas de trabalho temporário e prestadoras de serviço que atuam na área do 'handling'.

Entretanto, cinco dias depois, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) anunciou que vai avançar para a greve caso a TAP não altere as condições de descanso dos tripulantes nas rotas de Boston e Nova Iorque, operadas pelos aviões cedidos pela Azul.

Pedro Marques assegurou que o executivo está a "acompanhar" a situação e disse esperar que, "quer na TAP, quer no 'handling', as coisas se vão resolvendo", mas reconheceu que "algumas questões são complexas e envolvem questões de posicionamentos de mercado".

"Obviamente, pretendemos que o país continue a oferecer uma imagem positiva de acolhimento dos turistas e, basicamente, nesta altura desejamos a paz social nas empresas e que o turismo e o transporte aéreo continuem a crescer como têm crescido até aqui", rematou o membro do Governo.

Lusa

  • Sindicato Nacional do Pessoal de Voo ameaça marcar nova greve na TAP

    Economia

    O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo ameaça marcar uma nova greve na TAP.Os tripulantes de cabine queixam-se de falta de condições de descanso nos novos aviões da companhia. Em causa estão os dois aparelhos de longo curso que a companhia vai utilizar nas novas rotas para os Estados Unidos e que foi buscar à brasileira Azul, de David Neeleman.

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.