sicnot

Perfil

Economia

Governo espera que negociações evitem greves na aviação

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou hoje que o Governo está a acompanhar as negociações no setor da aviação e disse esperar que as greves não se realizem.

© Paulo Whitaker / Reuters

"Estamos a acompanhar com as empresas a situação, sabemos que estão em curso negociações entre os sindicatos e as empresas e, obviamente, desejamos que as coisas cheguem a bom porto para que estas greves, no limite, se for o caso, não se cheguem a realizar", referiu Pedro Marques à margem de uma visita a uma fábrica na Golegã.

O ministro comentava as duas greves que poderão ocorrer no setor da aviação: uma que envolve os trabalhadores dos serviços de assistências nos aeroportos ('handling') e outra que envolve os tripulantes da TAP.

No passado dia 02 de junho, o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) anunciou um pré-aviso de greve para os dias 01,02 e 03 de julho contra a precariedade dos trabalhadores do 'handling' que abrange, não só as empresas Groundforce e Portway, mas também todos os trabalhadores de empresas de trabalho temporário e prestadoras de serviço que atuam na área do 'handling'.

Entretanto, cinco dias depois, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) anunciou que vai avançar para a greve caso a TAP não altere as condições de descanso dos tripulantes nas rotas de Boston e Nova Iorque, operadas pelos aviões cedidos pela Azul.

Pedro Marques assegurou que o executivo está a "acompanhar" a situação e disse esperar que, "quer na TAP, quer no 'handling', as coisas se vão resolvendo", mas reconheceu que "algumas questões são complexas e envolvem questões de posicionamentos de mercado".

"Obviamente, pretendemos que o país continue a oferecer uma imagem positiva de acolhimento dos turistas e, basicamente, nesta altura desejamos a paz social nas empresas e que o turismo e o transporte aéreo continuem a crescer como têm crescido até aqui", rematou o membro do Governo.

Lusa

  • Sindicato Nacional do Pessoal de Voo ameaça marcar nova greve na TAP

    Economia

    O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo ameaça marcar uma nova greve na TAP.Os tripulantes de cabine queixam-se de falta de condições de descanso nos novos aviões da companhia. Em causa estão os dois aparelhos de longo curso que a companhia vai utilizar nas novas rotas para os Estados Unidos e que foi buscar à brasileira Azul, de David Neeleman.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida