sicnot

Perfil

Economia

Toyota planeia ter 25 mil funcionários a trabalhar a partir de casa

A Toyota Motor anunciou hoje que planeia introduzir um sistema de teletrabalho para permitir que 25 mil funcionários desempenhem grande parte das funções a partir de casa.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

Reuters

O líder mundial automóvel negoceia atualmente as condições do referido plano com os sindicatos, com o objetivo de colocá-lo em marcha no início de agosto, confirmou uma porta-voz da empresa à agência de notícias Efe.

O programa poder-se-á estender a quase um terço do pessoal que trabalha na empresa matriz do fabricante automóvel, que conta com aproximadamente 72 mil pessoas na folha de pagamento.

A medida abrangerá quem trabalha há mais de cinco anos na Toyota e na sede que a empresa tem em Aichi (centro do Japão) nos departamentos de recursos humanos, contabilidade ou vendas, a somar a alguns trabalhadores das divisões de I+D e de outras áreas de engenharia, segundo o diário económico Nikkei.

O plano permitiria que os estimados cerca de 25 mil trabalhadores abrangidos ficassem em casa a maior parte do tempo, até ao ponto de apenas ser necessário que se desloquem ao local de trabalho um mínimo de duas horas por semana.

Para prevenir qualquer tipo de fuga de dados, a empresa facultará aos funcionários equipamentos informáticos que apenas funcionam como clientes que dependem de um servidor central.

A Toyota espera que este sistema de trabalho flexível ajude a reter capital humano qualificado e experiente, já que permitiria, por exemplo, aos trabalhadores do sexo masculino dedicar mais tempo aos seus filhos e ajudaria as do sexo feminino a não abandonarem o trabalho depois de se casarem ou de darem à luz, o que costuma suceder no Japão.

Também permitiria reduzir o número de empregados que se demitem para cuidar dos pais, um problema comum no país atendendo à elevada esperança média de vida e ao crescente envelhecimento populacional.

O Japão encontra-se ainda distante de países como os Estados Unidos em matéria de teletrabalho.

Contudo, segundo uma sondagem recentemente divulgada pelo Governo, a proporção de empresas nipónicas que permitem o trabalho à distância passou de 2% em 2000 para 11,5% em 2014.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.