sicnot

Perfil

Economia

Costa diz que está quase fechado processo de recapitalização da CGD

Costa diz que está quase fechado processo de recapitalização da CGD

O primeiro-ministro afirma que está quase fechado com a União Europeia o processo de recapitalização do banco. António Costa adiantou ainda que António Domingues tem o apoio do Governo para formar equipa na Caixa Geral de Depósitos.

António Costa assumiu estas posições perante a Câmara do Comércio, após ter ouvido críticas ao seu Governo por parte do antigo ministro social-democrata Mira Amaral ou do empresário Peter Villax.

Interrogado sobre a possibilidade de haver uma comissão de inquérito sobre a CGD, o líder do executivo remeteu-a para o quadro parlamentar, mas definiu como essencial a conclusão do processo de recapitalização da Caixa, que adiantou estar quase concluído com Bruxelas, e que este banco "100 por cento público" tenha "uma gestão profissional".

Para o primeiro-ministro, em termos de estabilidade do sistema financeiro português "é essencial a existência de um banco 100 por cento nacional - uma garantia que só existirá com uma Caixa Geral de Depósitos 100 por cento pública e devidamente recapitalizada".

"Mas também é desejável que haja outros bancos de origem nacional e acho que pelo menos um banco privado, um forte banco privado, de raiz nacional. Penso que aí é daquelas matérias em que os senhores podem ajudar", disse, numa mensagem agora dirigida aos empresários, numa alusão ao futuro do BCP ou do Novo Banco.

No caso do Novo Banco, o primeiro-ministro defendeu que, nas relações com a União Europeia, Portugal não deve gerir o seu calendário em termos de alienação de ativos "sem ter em devida conta que é útil para o país a existência de um segundo banco de origem nacional e de raiz privada".

Já em relação à CGD, António Costa lamentou "a especulação noticiosa" e determinadas "análises" económico-financeiras confundido aspetos diversos" em torno do banco público.

"Uma coisa é a necessidade de reforço de capital para cumprir normas regulatórias, outra matéria distinta é o programa de reestruturação e uma terceira ainda distinta e o conjunto de NPL (crédito malparado), que é comum infelizmente a outros bancos. Ora, não podemos pôr tudo no mesmo bolo", advogou.

Ou seja, segundo António Costa, a CGD deve ter um balanço devidamente reestruturado "para poder gerir com calma ativos que não são imediatamente valorizáveis, sem que assim destrua valor de forma precipitada".

"O quadro de discussão com a União Europeia está praticamente concluído, grande parte das dúvidas que existiam estão ultrapassadas e acho que há um caminho para o poder desenvolver", adiantou o primeiro-ministro.

Ainda em relação a CGD, numa alusão à controvérsia sobre o novo Conselho de Administração, António Costa advertiu para a necessidade de "uma gestão devidamente profissionalizada e de melhor nível".

"Independentemente do que a Assembleia da República quiser saber sobre administrações passadas, o que está no seu direito, o essencial é garantir a melhor qualidade na administração da banca nos mesmos termos garantidos aos outros bancos. E isso implica condições para a constituição da equipa a quem é convidado para dirigir a empresa", frisou, salientando que António Domingues merece a confiança do Governo.

António Costa advertiu ainda que, no país, "há muito más experiências" de personalidades convidadas para dirigir empresas, mas que depois não tiveram condições para formar as sua equipa.

Com Lusa

  • Governo diz que valor da injeção de capital na CGD ainda não está definido
    1:37

    Economia

    O secretário de Estado do Tesouro acaba de responder ao PSD que esta segunda-feira exigiu explicações ao Governo sobre a capitalização da Caixa Geral de Depósitos. Ricardo Mourinho Félix esclareceu que ainda não está definido qual será o valor da injeção de capital, mas disse que não terá impacto no défice porque será uma operação financeira no quadro de uma reestruturação do banco.

  • Injeção de dinheiro na CGD pode implicar a saída dois mil trabalhadores
    2:19

    Economia

    Há uma incerteza sobre a situação atual e o futuro da Caixa Geral de Depósitos, que pode conhecer uma vaga de despedimentos. Tal como a Comissão Europeia, a responsável pela supervisão dos bancos europeus sublinha que o Estado português pode injetar dinheiro na Caixa Geral de Depósitos, desde que se comporte como um investidor privado. Se houver injeção de dinheiro, Bruxelas deverá exigir a saída de dois mil trabalhadores. A oposição exige explicações urgentes do Governo sobre o banco público e admite mesmo pedir uma investigação do parlamento.

  • PSD exige explicações do Governo sobre CGD
    1:59

    Economia

    O PSD exige explicações urgentes do Governo sobre a Caixa Geral de Depósitos e admite avançar com uma comissão parlamentar de inquérito. Os sociais-democratas dizem que o silêncio do executivo sobre a recapitalização do banco público é ensurdecedor, numa altura em que Bruxelas pressiona para que saiam 2 mil trabalhadores do banco.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.