sicnot

Perfil

Economia

Sindicato preocupado com eventual despedimento de 2000 trabalhadores na Caixa

O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) mostrou-se preocupado com o eventual despedimento de 2.000 trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos (CGD), afirmando que esse corte "seria brutal" no banco.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Há três anos que esse número tem vindo a ser apontado. A CGD tem vindo a reduzir os seus trabalhadores, nomeadamente com o Programa Horizonte. Mas nós analisamos sempre essas hipóteses com preocupação", afirmou esta terça-feira o presidente do SBSI.

Rui Riso comentava assim o número avançado pelo comentador Marques Mendes, que no fim de semana disse que o aumento de capital na CGD será mesmo de 4.000 milhões de euros, mas que implicará um plano de reestruturação que envolve o despedimento de 2.000 trabalhadores em três anos e a saída do banco do mercado espanhol.

"Se se confirmar esse número, vai ser brutal", considerou Rui Riso, criticando a banca por não se ter conseguido adaptar a "este novo modelo", a uma "baixa assinalável da atividade económica e bancária", também devido à "falha de confiança" dos clientes com as mais recentes quedas de bancos portugueses e às regras europeias que, disse, "estão a espartilhar" os bancos.

O sindicalista lembrou ainda que nos últimos anos, o BPI perdeu 700 trabalhadores e o Barclays perdeu 1.000, e afirmou: "A confirmar-se, vamos assegurar que o impacto seja o menor possível. Quer na quantidade, quer na qualidade".

O primeiro-ministro considerou hoje que está quase concluído com a União Europeia o processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Ministério das Finanças remeteu para as entidades competentes o apuramento das responsabilidades civis e criminais sobre os eventuais créditos concedidos pelo banco "sem a devida avaliação" antes da recapitalização de 2012.

Lusa

  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08