sicnot

Perfil

Economia

Sindicato preocupado com eventual despedimento de 2000 trabalhadores na Caixa

O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) mostrou-se preocupado com o eventual despedimento de 2.000 trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos (CGD), afirmando que esse corte "seria brutal" no banco.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Há três anos que esse número tem vindo a ser apontado. A CGD tem vindo a reduzir os seus trabalhadores, nomeadamente com o Programa Horizonte. Mas nós analisamos sempre essas hipóteses com preocupação", afirmou esta terça-feira o presidente do SBSI.

Rui Riso comentava assim o número avançado pelo comentador Marques Mendes, que no fim de semana disse que o aumento de capital na CGD será mesmo de 4.000 milhões de euros, mas que implicará um plano de reestruturação que envolve o despedimento de 2.000 trabalhadores em três anos e a saída do banco do mercado espanhol.

"Se se confirmar esse número, vai ser brutal", considerou Rui Riso, criticando a banca por não se ter conseguido adaptar a "este novo modelo", a uma "baixa assinalável da atividade económica e bancária", também devido à "falha de confiança" dos clientes com as mais recentes quedas de bancos portugueses e às regras europeias que, disse, "estão a espartilhar" os bancos.

O sindicalista lembrou ainda que nos últimos anos, o BPI perdeu 700 trabalhadores e o Barclays perdeu 1.000, e afirmou: "A confirmar-se, vamos assegurar que o impacto seja o menor possível. Quer na quantidade, quer na qualidade".

O primeiro-ministro considerou hoje que está quase concluído com a União Europeia o processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Ministério das Finanças remeteu para as entidades competentes o apuramento das responsabilidades civis e criminais sobre os eventuais créditos concedidos pelo banco "sem a devida avaliação" antes da recapitalização de 2012.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras