sicnot

Perfil

Economia

Costa admite baixar portagens nas ex-SCUT até ao final do verão

O primeiro-ministro admitiu hoje que as portagens nas antigas autoestradas sem custos para o utilizador (SCUT) poderão baixar ainda este verão e adiantou que vai contactar as forças políticas para um consenso em matéria de descentralização.

(Lusa)

(Lusa)

Arménio Belo

Estes foram dois dos pontos referidos por António Costa no debate quinzenal na Assembleia da República, durante o período em que respondia a questões formuladas pela bancada do PS.

Nesta fase do debate, o líder do executivo aproveitou para recuperar uma pergunta momentos antes formulada pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, que pretendeu saber quando é que o Governo tenciona cumprir uma resolução já aprovada na Assembleia da República a recomendar uma redução das portagens cobradas nas antigas SCUT.

António Costa disse que o Governo "tomou boa nota da recomendação que foi aprovada na Assembleia da República" e que o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, tem vindo a desenvolver as negociações necessárias "para que possa ser executada ainda este verão".

"É nesse esforço que estamos concentrados. Esperamos concretizá-lo ainda este verão", repetiu o primeiro-ministro.

Já em resposta a uma questão formulada pelo vice-presidente da bancada do PS João Paulo Correia em matéria de descentralização de competências, o primeiro-ministro adiantou que, nas próximas semanas, o seu Governo iniciará contactos com as diferentes forças políticas para que haja "um amplo consenso" na aprovação de uma reforma descentralizadora no país, reforçando os meios e as competências das autarquias locais.

António Costa defendeu que a pedra angular da reforma do Estado será a descentralização, "num momento em que se assinalam 40 anos do Poder Local democrático".

A parte que motivou maior agitação entre as bancadas da oposição aconteceu quando o líder da JS, João Torres, fez uma alusão às controversas declarações proferidas pelo primeiro-ministro, domingo passado, em França, sobre oportunidades que se abrem a muitos professores neste país ao nível do ensino do português.

"A Estrada da Beira não é a mesma coisa que a beira da estrada", disse o líder da JS repetindo António Costa, gerando então sonoros risos nas bancadas do PSD e do CDS-PP, numa intervenção em que procurou salientar o empenhamento do Governo socialista no combate à precariedade laboral.

Já o "vice" da bancada socialista João Paulo Correia pegou em recentes declarações proferidas pela presidente do CDS-PP Assunção Cristas em entrevista ao Jornal de Negócios, segundo as quais o assunto Banif nunca foi discutido em Conselho de Ministros.

"Das duas uma: Ou o ex-primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho] escondeu o assunto Banif do resto do Governo; ou negligenciou-o, deixando-o nas mãos da sua ex-ministra das Finanças [Maria Luís Albuquerque]", apontou João Paulo Correia.

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas comemorações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.