sicnot

Perfil

Economia

Costa admite baixar portagens nas ex-SCUT até ao final do verão

O primeiro-ministro admitiu hoje que as portagens nas antigas autoestradas sem custos para o utilizador (SCUT) poderão baixar ainda este verão e adiantou que vai contactar as forças políticas para um consenso em matéria de descentralização.

(Lusa)

(Lusa)

Arménio Belo

Estes foram dois dos pontos referidos por António Costa no debate quinzenal na Assembleia da República, durante o período em que respondia a questões formuladas pela bancada do PS.

Nesta fase do debate, o líder do executivo aproveitou para recuperar uma pergunta momentos antes formulada pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, que pretendeu saber quando é que o Governo tenciona cumprir uma resolução já aprovada na Assembleia da República a recomendar uma redução das portagens cobradas nas antigas SCUT.

António Costa disse que o Governo "tomou boa nota da recomendação que foi aprovada na Assembleia da República" e que o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, tem vindo a desenvolver as negociações necessárias "para que possa ser executada ainda este verão".

"É nesse esforço que estamos concentrados. Esperamos concretizá-lo ainda este verão", repetiu o primeiro-ministro.

Já em resposta a uma questão formulada pelo vice-presidente da bancada do PS João Paulo Correia em matéria de descentralização de competências, o primeiro-ministro adiantou que, nas próximas semanas, o seu Governo iniciará contactos com as diferentes forças políticas para que haja "um amplo consenso" na aprovação de uma reforma descentralizadora no país, reforçando os meios e as competências das autarquias locais.

António Costa defendeu que a pedra angular da reforma do Estado será a descentralização, "num momento em que se assinalam 40 anos do Poder Local democrático".

A parte que motivou maior agitação entre as bancadas da oposição aconteceu quando o líder da JS, João Torres, fez uma alusão às controversas declarações proferidas pelo primeiro-ministro, domingo passado, em França, sobre oportunidades que se abrem a muitos professores neste país ao nível do ensino do português.

"A Estrada da Beira não é a mesma coisa que a beira da estrada", disse o líder da JS repetindo António Costa, gerando então sonoros risos nas bancadas do PSD e do CDS-PP, numa intervenção em que procurou salientar o empenhamento do Governo socialista no combate à precariedade laboral.

Já o "vice" da bancada socialista João Paulo Correia pegou em recentes declarações proferidas pela presidente do CDS-PP Assunção Cristas em entrevista ao Jornal de Negócios, segundo as quais o assunto Banif nunca foi discutido em Conselho de Ministros.

"Das duas uma: Ou o ex-primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho] escondeu o assunto Banif do resto do Governo; ou negligenciou-o, deixando-o nas mãos da sua ex-ministra das Finanças [Maria Luís Albuquerque]", apontou João Paulo Correia.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida