sicnot

Perfil

Economia

Portugal volta hoje aos mercados para angariar até 1.000 M€

Portugal realiza hoje dois leilões de Bilhetes do Tesouro, pretendendo angariar nos mercados financeiros internacionais entre 750 e mil milhões de euros, anunciou o IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública.

(Lusa/ Arquivo)

Na passada sexta-feira, o IGCP anunciou que vão realizar-se esta manhã, pelas 10:30, "dois leilões das linhas de BT (Bilhetes do Tesouro) com maturidades em 23 de setembro de 2016 e 19 de maio de 2017, com um montante indicativo global entre 750 milhões de euros e 1000 milhões de euros".

Este leilão realiza-se quase uma semana depois de o IGCP ter colocado 600 milhões de euros em Obrigações de Tesouro (OT) a cinco anos à taxa de juro de 1,843% e 400 milhões de euros em OT a nove anos a 2,859%.

Portugal colocou, na semana passada 600 milhões de euros em Obrigações de Tesouro (OT) a cinco anos à taxa de juro de 1,843% e 400 milhões de euros em OT a nove anos a 2,859%.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na Bloomberg, a taxa de juro da emissão de OT a cinco anos variou ligeiramente em relação ao anterior leilão comparável, já que passou de 1,84% para 1,843%.

O total de propostas da emissão de OT a cinco anos atingiu 1.185 milhões de euros, 1,98 vezes o montante colocado.

No anterior leilão de OT a cinco anos, que ocorreu em 23 de março, o IGCP colocou 504 milhões de euros a uma taxa de juro de 1,84%.

Em relação ao prazo de nove anos, o anterior leilão ocorreu em 08 de outubro de 2014, tendo o IGCP colocado 1.000 milhões de euros a uma taxa de juro de 1,85%.

Contudo, em 11 de maio último, o IGCP colocou no mercado 1.150 milhões de euros em OT a dez anos a uma taxa de juro de 3,252%.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29