sicnot

Perfil

Economia

BCE avisa que sem reformas rápidas haverá uma "geração perdida"

O Banco Central Europeu (BCE) manifestou hoje preocupação com a possibilidade de haver "uma geração perdida" na Europa se os governos da região não acelerarem as reformas estruturais.

(REUTERS/ ARQUIVO)

"O desemprego jovem ultrapassa o desemprego global em todos os países. Isso já penaliza a economia por haver jovens que querem trabalhar mas não encontram emprego ficando impedidos de desenvolver as suas competências", declarou Benoît Coeuré, membro da direção da instituição monetária europeia, num discurso em Berlim.

"Para evitar criar uma geração perdida, temos de agir rapidamente", acrescentou o dirigente, que se congratulou com as reformas laborais promovidas em vários países onde se considerava que havia maior "rigidez", citando Portugal, Espanha, Itália, Grécia e ainda, há mais de dez anos, a Alemanha.

Em França, "apesar da reforma laboral estar atualmente em discussão, ainda está por ver se ela é suficientemente ambiciosa" para impulsionar o emprego, considerou, numa altura em que a legislação francesa está a ser muito contestada, principalmente pelos sindicatos.

O BCE, que adotou nos últimos anos várias iniciativas para estimular a economia, tem feito sucessivos apelos aos governos para apoiarem os seus esforços com a adoção de reformas.

"Para aumentar o potencial de crescimento e reforçar as bases da nossa união económica e monetária, precisamos de reformas alargadas e em sequência nos Estados nacionais e a nível da União Europeia e precisamos delas agora", insistiu Coeuré, defendendo que essas reformas devem começar pelo mercado de bens e serviços.

Lusa

  • Draghi admite sinais de recuperação mas critica reversão de várias reformas

    Economia

    Mario Draghi disse hoje que são visíveis sinais de recuperação em Portugal, mas o presidente do Banco Central Europeu criticou a reversão que o atual Governo de António Costa está a fazer de várias reformas levadas a cabo pelo Executivo anterior. Na intervenção que fez no Conselho de Estado, o responsável do BCE pede ainda um esforço suplementar ao atual Executivo para acelerar as reformas que ainda são necessárias em Portugal. As declarações do presidente do Banco Central Europeu foram proferidas por ocasião da reunião do Conselho de Estado, para a qual foi convidado. Draghi acrescentou também que Portugal tem ainda pela frente desafios importantes.