sicnot

Perfil

Economia

Crescimento do crédito faz aumentar procura de casas em Portugal

A procura de casas em Portugal aumentou em abril deste ano, "ao ritmo mais elevado dos últimos sete meses", devido ao crescimento da concessão de crédito, segundo o mais recente inquérito 'Portuguese Housing Market Survey' (PHMS), hoje divulgado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stephane Mahe / Reuters

Com base nas respostas de 150 inquiridos de empresas do setor imobiliário, a colocação de imóveis em oferta aumentou em abril deste ano, pelo quarto mês consecutivo, embora "a dinâmica da procura continue a superar a da oferta".

O aumento da procura de casas refletiu-se "positivamente" nas vendas realizadas, com o ritmo de crescimento a acelerar de forma sólida ao longo do mês de abril e em todas as regiões abrangidas pelo inquérito PHMS: Lisboa, Porto e Algarve.

Um dos principais impulsionadores deste aumento da procura de casas é "o crescimento da concessão de crédito à habitação", indicou o inquérito, explicando que a aceleração da atividade transacional vai permitir acentuar também o movimento de recuperação e de evolução dos preços.

Para os mediadores, promotores e proprietários, o preço das casas vai aumentar "em torno dos 3% nos próximos 12 meses", revelou o inquérito PHMS de abril.

Sobre o crescimento da procura de casas, o diretor da empresa de informação Confidencial Imobiliário, Ricardo Guimarães, disse que "os novos empréstimos atingiram 491 milhões de euros em março, mais do que duplicando no espaço de um ano", acrescentando que, ao mesmo tempo, os 'spreads' estão a baixar e os bancos estão a adotar uma postura comercial mais agressiva.

Já o economista do Royal Institution of Chartered Surveyors (RICS), Simon Rubinsohn, frisou que "a confiança dos consumidores continua próxima dos máximos pós-crise, apesar da aceleração da economia se manter modesta".

Em relação ao mercado de arrendamento, os empresários do setor imobiliário indicam que "a procura por potenciais arrendatários continuou a crescer em abril", sublinhando que nesse mês registou-se o ritmo mais rápido de crescimento verificado desde outubro de 2011.

De acordo com o inquérito, a procura no mercado de arrendamento não tem sido acompanhada pela oferta, explicando que existem "novas instruções pelos proprietários a seguir em sentido inverso".

"Fruto deste desencontro entre a oferta e a procura, os valores das rendas voltaram a aumentar pelo 11º mês consecutivo", concluiu o inquérito, referindo que os empresários do setor imobiliário preveem que estes valores continuem a crescer ao longo dos próximos três meses.

O PHMS é um inquérito mensal realizado em parceria entre a Confidencial Imobiliário e o RICS, para publicação de um Índice de Confiança e de Expectativas nas regiões metropolitanas de Lisboa, do Porto e do Algarve.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.