sicnot

Perfil

Economia

Adiar para este ano uma solução sobre o Banif seria um "exercício de ilusão"

Adiar para este ano uma solução sobre o Banif seria um "exercício de ilusão"

O ministro das Finanças diz que adiar para este ano uma solução sobre o Banif seria um exercício de ilusão. Ouvido pela terceira vez na comissão de inquérito à queda do banco, Mário Centeno explica que arrastar o problema para 2016 teria graves consequências.

"O desenho da solução final e a possível resolução do banco torna-se mais claro ao longo de 2015 e a passagem para 2016 seria um exercício de ilusão, considerado apenas por aqueles que não tivessem consciência da sua gravidade e que fossem incapazes de medir as suas consequências", vincou Mário Centeno, no parlamento.

O governante falava no arranque da sua terceira audição na comissão parlamentar de inquérito ao Banif, que hoje encerra o período de audições com nova vida do titular da pasta das Finanças.

Para Centeno, a "avaliação da urgência" em torno do Banif foi "retomada no momento da passagem de pastas, a 26 de novembro", entre o anterior executivo PSD/CDS-PP e o então formado Governo do PS.

"Por essa ocasião, havia materialmente em cima da mesa um apelo urgente à ação por parte da Comissão Europeia, datado de 12 de novembro, e uma correspondência em que se colocava de forma explícita a discordância entre o Banco de Portugal e o então XX Governo sobre o caminho a seguir. Esta discordância é colocada pelo XX Governo em termos de surpresa porque, supostamente, o Banco de Portugal apresentaria agora argumentos novos", sublinhou o ministro.

E continuou: "Nessa ocasião, de passagem de pastas, foi-me referido que, para que o caso estivesse encerrado antes do final do ano, deveríamos tomar uma decisão até ao dia 01 de dezembro, tínhamos portanto quatro dias para decidir, e a medida seria aplicada até ao fim de semana de 18 de dezembro".

Os primeiros dias do atual Governo foram, diz Centeno, "de uma enorme intensidade em torno do processo Banif", e o ministro reconhece que a intervenção pública no banco, que se iniciou "com a capitalização pública em 2013 e culminou na resolução", aplicada no final do ano passado, representou "uma fatura muito elevada para todos os contribuintes".

"O custo direto para os contribuintes foi aquele que todos hoje conhecemos. A geração e gestão de todo este processo ao longo de três anos não pode ficar sem explicação. Espero que estes meses de audições possam ter contribuído para esclarecer o relatório final. E para esclarecer os portugueses que tiveram de pagar a fatura", sinalizou o governante.

Em 20 de dezembro, domingo ao final da noite, Banco de Portugal e Governo anunciaram a resolução do Banif, a venda de alguns ativos ao Santander Totta e a transferência de outros (muitos deles 'tóxicos') para a sociedade-veículo Oitante.

A operação surpreendeu pela dimensão do dinheiro estatal envolvido, que no imediato foi de 2.255 milhões de euros, o que obrigou a um Orçamento retificativo.

A este valor há ainda que somar a prestação de garantias de 746 milhões de euros e a perda dos cerca de 800 milhões de euros que o Estado tinha emprestado em 2012 e que não tinham sido devolvidos.

No total, e retirando os 150 milhões de euros pagos pelo Totta, os custos para contribuintes podem chegar até 3.600 milhões de euros.

Com Lusa

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • "Avançámos em primeiro lugar com incentivos às empresas"
    18:07

    Economia

    O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar do que pode ser feito depois da tragédia dos incêndios que assolou o país na última semana. O governante diz que já avançou com incentivos às empresas afetadas e que neste momento o mais importante é preservar a segurança das pessoas.

    Entrevista SIC Notícias

  • Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado debates com as bases do PSD
    0:40

    País

    Pedro Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado a realização de debates com as bases do partido. Fernando Negrão, responsável pela candidatura de Santana Lopes à presidência do PSD, já tinha advertido em comunicado que a posição de Rui Rio poderia também inviabilizar quaisquer outros frente a frente, incluindo os organizados pela comunicação social. Santana Lopes está na Guarda, no primeiro jantar com apoiantes desde que anunciou a candidatura.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Gémeas correm risco de vida se não saírem de Gaza

    Mundo

    Duas irmãs gémeas siamesas correm risco de vida enquanto permanecerem em Gaza. Quem diz é o médico Alam Abu Hamba, do Hospital de Shifra, que garante que "situação complicada" das meninas não pode ser tratada por médicos no território costeiro, atulamente bloqueado pelo Egito e por Israel. Abu Hamba espera que o casal de gémeas possa ser transferido para fora da separação.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC