sicnot

Perfil

Economia

Cereja com pior produção dos últimos 30 anos

A cereja deverá ter este ano a pior campanha das últimas três décadas, estimando-se uma quebra de 50% face a 2015, devido à primavera chuvosa, indicam as previsões agrícolas do INE hoje divulgadas.

(Lusa)

(Lusa)

LUSA

Para a quebra de produtividade da cereja contribuíram decisivamente o inverno pouco frio, a que se seguiu a precipitação persistente registada na primavera, que teve o mês de maio mais chuvoso dos últimos 22 anos.

Globalmente estima-se que a produtividade da cereja ronde apenas as 1,4 toneladas por hectare, um dos valores mais baixos em 30 anos.

O pêssego é outro dos frutos afetados pelas más condições atmosféricas, prevendo-se uma redução de 20% na produtividade.

O tempo instável prejudicou também as sementeiras e plantações das culturas de primavera/verão, havendo ainda áreas consideráveis de milho para grão, arroz e tomate para a indústria por instalar à data de 31 de maio.

No caso do milho, é expectável que a área semeada seja inferior a 90 mil hectares, o registo mais baixo desde 1986, o que está sobretudo associado à descida do preço desta matéria-prima ('commodity') nos mercados internacionais, que se mantém há mais de dois anos a rondar os 150 euros/tonelada.

Quanto ao arroz, prevê-se uma ligeira redução da área semeada (-5% face a 2015), devido às dificuldades na instalação desta cultura.

Quanto às plantações de tomate para a indústria, no final do mês de maio estava ainda por instalar cerca de um quarto da área total prevista (19 mil hectares, valor semelhante ao registado em 2015).

Mais favorável é o cenário esperado para a campanha dos cereais de outono/inverno que devem registar aumentos generalizados na produtividade (5% no centeio, 15% no trigo mole, 20% no trigo duro e na cevada e 30% no triticale e na aveia).

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.