sicnot

Perfil

Economia

Lisboa sobe 11 posições na lista das cidades mais caras do mundo

Lisboa subiu 11 posições no 'ranking' das cidades mais caras do mundo, para o 134.º lugar, numa lista encabeçada por Hong Kong e Luanda, de acordo com o indicador da consultora Mercer, hoje divulgado.

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o 22.º Estudo Global sobre o Custo de Vida de 2016 da Mercer, Lisboa, que estava na 145.ª posição em 2015, permanece "ainda assim como uma das cidades menos dispendiosas para expatriados a nível global".

"A explicação [para a subida] prende-se essencialmente com o aumento do custo de alguns itens que pesam na ponderação como os valores das rendas, que com o aumento da procura, associado ao turismo, acabaram também por aumentar a nível nacional", realçou a consultora.

Como exemplo das diferenças entre as 209 cidades analisadas, aponta-se que "o arrendamento de um apartamento T2 pode custar em Lisboa 1.500 euros e em Hong Kong mais de 6.000 euros".

O 'ranking' mede o custo comparativo de mais de 200 itens em cada local, incluindo habitação, transportes, comida, roupa, bens de uso doméstico e entretenimento, e é realizado anualmente para ajudar multinacionais, organizações e governos a determinarem estratégias de compensação para os seus colaboradores expatriados.

Na lista deste ano, Hong Kong surge como a cidade mais cara do mundo, seguida de Luanda (2.º), de Zurique (3.º) - que é também a cidade europeia mais cara -, de Singapura (4.º) e de Tóquio (5.º).

O 'top 10' das cidades mais caras completa-se com Kinshasa (6.º), Xangai (7.º), Genebra (8.º), N'Djamena (9.º) e Pequim (10.º).

No extremo oposto, as cidades mais baratas para expatriados são Windhoek (em 209.º), Cidade do Cabo (208.º) e Bishkek (207.º).

Na Europa, Paris subiu dois lugares, para 44.º, Londres desceu cinco, para 17.º, Berlim subiu seis, para 100.º, e a cidade do Luxemburgo subiu 10 lugares, para 86.º.

As cidades dos Estados Unidos da América subiram este ano no 'ranking' de cidades mais caras, "devido à valorização do dólar americano", sublinhou a consultora.

Nova Iorque subiu cinco lugares e é a 11.ª cidade mais cara do mundo, Washington subiu 12 (e é a 38.ª) e Boston 17 lugares, do 64.º lugar em 2015 para 47.º este ano.

Nas cidades brasileiras de referência no estudo, o custo de vida desceu, nomeadamente em Brasília (que desceu 40 lugares, para 190.º), Rio de Janeiro (desceu 89 lugares, para 156.º) e São Paulo (desceu 88 lugares, de 40.º para 128.º).

Luanda era a cidade mais cara no ano passado e ficou este ano no segundo posto, sobretudo devido ao enfraquecimento da moeda local, e Maputo desceu de 95.º em 2015 para 164.º em 2016.

Telavive (19.º) continua a ser a cidade mais cara para expatriados no Médio Oriente, seguida do Dubai (21.º), Abu Dhabi (25.º) e Beirute (50.º).

Na América do Sul, Buenos Aires (41.º) é a cidade mais cara, embora a maioria das outras cidades deste subcontinente tenha descido no 'ranking' devido ao enfraquecimento das moedas locais face ao dólar americano.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.