sicnot

Perfil

Economia

Walmart alia-se a empresa chinesa para desafiar monopólio da Alibaba

A multinacional Walmart assinou um acordo de parceria para entrar na estrutura acionista da empresa de comércio eletrónico chinesa JD, visando desafiar o monopólio da gigante Alibaba na China.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O acordo, anunciado num comunicado conjunto, supõe que a Walmart transfira o controlo da empresa de comércio eletrónico Yiahaodian para a JD, principal rival da Alibaba.

Em troca, o grupo norte-americano fica com uma participação de cinco por cento - valorizada em 1.500 milhões de dólares - na empresa chinesa.

A Walmart obtém ainda direitos especiais nas diferentes plataformas da JD, onde terá uma loja virtual, beneficiando assim da maior implementação e rede de distribuição da empresa local para ganhar terreno no comércio 'online' chinês, que representa 40% do conjunto mundial.

O acordo permite à JD controlar a Yihaodian, uma empresa rival no setor que, ainda que com uma cota de mercado inferior, é uma marca popular em alguns segmentos.

A Walmart entrou na estrutura acionista da Yihaodian em 2012 e, posteriormente, aumentou a sua participação até ter uma participação maioritária.

Em comunicado, o presidente da Walmart, Doug McMillion, destacou o "potencial" que a nova aliança cria para ambas as empresas.

Já Richard Liu, CEO da JD, mostrou-se confiante em que o acordo elevará o comércio eletrónico chinês para um novo patamar.

Estima-se que a Alibaba, fundada por Jack Ma, o segundo homem mais rico do país, controle 90% do comércio eletrónico da China.

A JD, que tem sede em Pequim mas que, à semelhança da sua rival, está cotada na bolsa de Nova Iorque e cresceu nos últimos trimestres a um ritmo mais rápido do que a Alibaba.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida