sicnot

Perfil

Economia

Ações da Pharol voltam a ser negociadas e não resistem a nova queda

As ações da Pharol, antiga PT SGPS, que estiveram suspensas durante o dia de ontem, por ordem da CMVM, voltaram hoje a ser negociadas.

O regulador dos mercados quis mais informações da Pharol, depois do pedido de recuperação judicial da Oi, que está à beira da falência.

Recordo que a cotada portuguesa é dona de 27 por cento do capital da Oi, na sequência da fusão entre a PT e a brasileira.

Em comunicado, a Pharol garantiu que vai continuar a defender valorização das ações que tem na operadora brasileira.

A suspensão acabou por ser levantada às 10 horas desta manhã, no entanto as ações já cairam cerca de 41 por cento.

  • Negociação na bolsa das ações da Pharol suspensa
    2:14

    Economia

    A decisão foi tomada pela CMVM esta manhã e estende-se também a uma linha de obrigações da PT que arrisca não ser reembolsada dentro do prazo, que termina já no próximo mês.O regulador dos mercados só vai levantar a suspensão depois de serem divulgados mais dados sobre o pedido de recuperação judicial da OI, a empresa brasileira onde a Pharol é acionista e que pediu ontem à noite proteção dos credores.

  • CMVM suspende ações da Pharol depois de pedido de recuperação judicial da Oi
    2:58

    Economia

    A Oi, a gigante brasileira das telecomunicações, está a um passo da falência e entrou com um pedido de recuperação judicial. A decisão foi anunciada ontem à noite e levou a CMVM a suspender, hoje durante todo o dia, as ações da Pharol - que é acionista da Oi. O regulador impediu também que fossem negociadas obrigações da PT que venciam já no próximo mês e que podem não ser pagas dentro do prazo. Em causa mais de 200 milhões de euros de clientes do retalho.

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.