sicnot

Perfil

Economia

CaixaBank confiante no sucesso da OPA sobre o BPI

O presidente executivo do CaixaBank mostrou-se hoje em Barcelona confiante no sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o BPI, mas reiterou que o banco espanhol não pretende subir o preço oferecido.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

"Se a OPA não for bem-sucedida, o mais relevante é o que irá fazer o BPI", disse Gonzalon Gortázar a um grupo de jornalistas portugueses convidados para conhecer a sede do CaixaBank na capital da Catalunha.

O presidente executivo avisou: "Se os acionistas do BPI nos disserem 'não' pela segunda vez, a mensagem é clara para nós ('we get the message')", disse.

"Não temos a intenção de subir o preço" proposto na OPA (1,113 euros por cada ação do BPI), clarificou Gonzalon Gortázar, acrescentando que os acionistas atuais do BPI têm de decidir se aceitam a desblindagem dos direitos de voto e ainda a venda de uma posição que permita ao CaixaBank ficar com mais de 50% do banco português.

O CaixaBank anunciou em abril o lançamento de uma OPA sobre o BPI, depois de o banco espanhol (que já detém quase 45% do BPI) não ter conseguido chegar a entendimento com a angolana Santoro (empresa de Isabel dos Santos e segunda maior acionista do banco, com 18,58%) sobre uma solução para o banco.

O banco espanhol oferece 1,113 euros por cada ação do BPI e a operação está condicionada à eliminação dos estatutos de bloqueio na entidade financeira portuguesa, que lhe limitam os direitos de voto a 20%.

A Comissão Europeia aprovou este mês a proposta de aquisição do BPI pelos espanhóis do CaixaBank, no âmbito do regulamento de fusões.

O Conselho de Administração do BPI anunciou que iria submeter à assembleia-geral do banco de 22 de julho uma proposta de alteração dos estatutos para eliminar o limite nos direitos de votos, que impede que qualquer acionista vote com mais de 20%.

"Essa é uma data chave" para a operação do CaixaBank, considerou Gonzalon Gortázar, recordando que o banco que dirige já começou a pedir todas as autorizações necessárias para concretizar a OPA, incluindo o Banco Nacional de Angola no lote de autoridades que terão de concordar com a operação.

O presidente executivo evitou falar da falta de acordo em abril com a Santoro e afirmou ter "virado a página", não querendo colocar "linhas vermelhas" na resolução de um problema que tem de ser negociado depois do CaixaBank conseguir uma posição dominante no BPI.

O Banco Central Europeu (BCE) decidiu hoje dar quatro meses ao CaixaBank, a partir do momento em que passar a controlar o BPI, para resolver o problema de exposição a grandes riscos que tem no mercado angolano.

Gonzalon Gortázar considerou o interesse no mercado financeiro português e no BPI como sendo "lógico", porque se trata de um mercado idêntico ao espanhol, lembrando que o CaixaBank já tem uma participação no BPI há 20 anos.

"Pensamos que com a escala combinada e com o 'know-how' [conhecimento] que temos aqui podemos aumentar a rentabilidade" do BPI, afirmou Gonzalon Gortázar.

O responsável do banco espanhol estimou em 85 milhões de euros por ano a redução de custos que pode ser conseguida pelo BPI e assegurou que o CaixaBank "tem sempre procurado as formas mais sensatas para ajustar os postos de trabalho quando isso foi necessário fazer".

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.