sicnot

Perfil

Economia

CaixaBank confiante no sucesso da OPA sobre o BPI

O presidente executivo do CaixaBank mostrou-se hoje em Barcelona confiante no sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o BPI, mas reiterou que o banco espanhol não pretende subir o preço oferecido.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

"Se a OPA não for bem-sucedida, o mais relevante é o que irá fazer o BPI", disse Gonzalon Gortázar a um grupo de jornalistas portugueses convidados para conhecer a sede do CaixaBank na capital da Catalunha.

O presidente executivo avisou: "Se os acionistas do BPI nos disserem 'não' pela segunda vez, a mensagem é clara para nós ('we get the message')", disse.

"Não temos a intenção de subir o preço" proposto na OPA (1,113 euros por cada ação do BPI), clarificou Gonzalon Gortázar, acrescentando que os acionistas atuais do BPI têm de decidir se aceitam a desblindagem dos direitos de voto e ainda a venda de uma posição que permita ao CaixaBank ficar com mais de 50% do banco português.

O CaixaBank anunciou em abril o lançamento de uma OPA sobre o BPI, depois de o banco espanhol (que já detém quase 45% do BPI) não ter conseguido chegar a entendimento com a angolana Santoro (empresa de Isabel dos Santos e segunda maior acionista do banco, com 18,58%) sobre uma solução para o banco.

O banco espanhol oferece 1,113 euros por cada ação do BPI e a operação está condicionada à eliminação dos estatutos de bloqueio na entidade financeira portuguesa, que lhe limitam os direitos de voto a 20%.

A Comissão Europeia aprovou este mês a proposta de aquisição do BPI pelos espanhóis do CaixaBank, no âmbito do regulamento de fusões.

O Conselho de Administração do BPI anunciou que iria submeter à assembleia-geral do banco de 22 de julho uma proposta de alteração dos estatutos para eliminar o limite nos direitos de votos, que impede que qualquer acionista vote com mais de 20%.

"Essa é uma data chave" para a operação do CaixaBank, considerou Gonzalon Gortázar, recordando que o banco que dirige já começou a pedir todas as autorizações necessárias para concretizar a OPA, incluindo o Banco Nacional de Angola no lote de autoridades que terão de concordar com a operação.

O presidente executivo evitou falar da falta de acordo em abril com a Santoro e afirmou ter "virado a página", não querendo colocar "linhas vermelhas" na resolução de um problema que tem de ser negociado depois do CaixaBank conseguir uma posição dominante no BPI.

O Banco Central Europeu (BCE) decidiu hoje dar quatro meses ao CaixaBank, a partir do momento em que passar a controlar o BPI, para resolver o problema de exposição a grandes riscos que tem no mercado angolano.

Gonzalon Gortázar considerou o interesse no mercado financeiro português e no BPI como sendo "lógico", porque se trata de um mercado idêntico ao espanhol, lembrando que o CaixaBank já tem uma participação no BPI há 20 anos.

"Pensamos que com a escala combinada e com o 'know-how' [conhecimento] que temos aqui podemos aumentar a rentabilidade" do BPI, afirmou Gonzalon Gortázar.

O responsável do banco espanhol estimou em 85 milhões de euros por ano a redução de custos que pode ser conseguida pelo BPI e assegurou que o CaixaBank "tem sempre procurado as formas mais sensatas para ajustar os postos de trabalho quando isso foi necessário fazer".

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.