sicnot

Perfil

Economia

Obrigacionistas do universo Banif apresentam denúncias no DIAP

Dois investidores em obrigações da Rentipar, ex-dona do Banif, apresentaram denúncias ao DIAP de Lisboa contra o Banco de Portugal, o Estado português e responsáveis daquela empresa por suspeitas de manipulação de mercado e abuso de informação.

Nos termos das denúncias levadas ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, a que a Lusa teve acesso, além dos crimes previstos no Código de Valores Mobiliários, em causa poderá estar também "a prática dos crimes de burla qualificada, abuso de confiança, infidelidade, usura, favorecimento de credores, auxílio material, falsificação de documentos, recebimento indevido de vantagens, participação económica em negócio, emprego de força pública contra a execução da lei ou de ordem legítima e abuso de poder".

Um dos casos remonta a 22 de dezembro de 2011, quando o autor desta denúncia concreta, Vítor Pereira, adquiriu uma obrigação, com o valor nominal de 50 mil euros, no empréstimo obrigacionista da Rentipar Investimentos SGPS, participada da Rentipar Financeira, ex-dona do Banif.

Apesar de estar inicialmente previsto o reembolso aos investidores a 30 de dezembro de 2013, data de maturidade do referido empréstimo, decorreu a 23 de dezembro de 2013 uma assembleia de obrigacionistas da Rentipar Investimentos SGPS, que aprovou a alteração da data para 30 de dezembro de 2016.

Em dezembro de 2015, o Banco de Portugal e o Governo anunciaram a resolução do Banif, a venda de alguns ativos ao Santander Totta e a transferência de outros (muitos deles "tóxicos") para a sociedade veículo Oitante.

"Tendo-se visto sem o seu principal ativo, ou seja a atividade do Banif, a Rentipar Investimentos SGPS foi declarada insolvente a 12 de janeiro de 2016", pode ler-se na denúncia que foi remetida ao DIAP de Lisboa na passada semana.

Na base da denúncia está a suspeita de que quando foi aprovada a prorrogação do prazo de maturidade do empréstimo obrigacionista, em 2013, já era conhecida "a situação de carência em que o Banif se encontrava".

Segundo se lê na denúncia, a referida prorrogação apenas foi aprovada -- "numa votação absolutamente inesperada" -- com os votos de uma maioria de "obrigacionistas faltosos", representados na reunião pelo advogado José Diogo Horta Osório da sociedade Cuatrecasas.

"Tem de ser considerado estranhíssimo que alguém prescinda de receber aquilo a que tem direito em determinado momento e decida apenas receber esse direito três anos mais tarde, o que apenas pode ser explicado com base em informação privilegiada de que disponha, ou seja, com conhecimento antecipado de informação não tornada pública (...) face aos restantes obrigacionistas", refere.

Perante esta atuação dos "obrigacionistas maioritários" representados por Horta Osório, cuja intenção seria a de "impedir que os restantes recebessem os capitais investidos", considera o denunciante e investidor que "importará investigar se o interesse demonstrado com vista à alteração do prazo de maturidade violou dolosamente" alguma norma do instituto dos valores mobiliários.

A denúncia de Vítor Pereira refere ainda que "importará também esclarecer se existe ou não qualquer atuação dolosa" e indica poder tratar-se de "uma situação de perda da qualidade de sociedade aberta da entidade emitente" que deverá "ser confirmada pela comissão de valores mobiliários".

Para o investidor queixoso, as circunstâncias descritas representam os crimes de abuso de informação e de manipulação de mercado, previstos e punidos pelo Código dos Valores Mobiliários, tal como diversos crimes previstos no Código Penal.

Na denúncia são indicados como testemunhas o ex-governador do Banco de Portugal e vice-presidente do Banco Central Europeu Vítor Constâncio, a ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque e o ex-presidente executivo do Banif Jorge Tomé.

O autor da outra denúncia ao DIAP de Lisboa, Alexandre Fernandes, adquiriu também uma obrigação com valor nominal de 50 mil euros da Rentipar Investimentos SGPS, apresentando ao Ministério Público argumentos similares, conforme se lê na queixa a que a Lusa teve também acesso

  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual em que aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.