sicnot

Perfil

Economia

Principais empresários britânicos apelam à permanência na UE

Líderes das principais empresas britânicas instaram hoje os cidadãos britânicos a votarem esta quinta-feira pela permanência do Reino Unido na União Europeia, em nome do emprego e do comércio.

reuters

Numa carta aberta divulgada hoje pelo "The Times", os responsáveis de mais de metade das grandes empresas britânicas cotadas na Bolsa de Londres -- 1.250 empresários que, em conjunto, dão emprego a 1,75 milhões de pessoas -- argumentam que a opção pelo 'Brexit' no referendo desta quinta-feira "prejudicaria" a economia britânica.

Entre as empresas cossignatárias figuram mais de 900 pequenas e médias empresas e 51 grupos incluídos no "Footsie", o índice principal da bolsa londrina FTSE-100.

"O abandono da União Europeia pelo Reino Unido significaria incerteza para as nossas empresas, menos comércio com a Europa e menos empregos", argumentam os empresários.

De acordo com os cossignatários, se a opção de saída vencer, terão que ser restabelecidos "a partir do zero" os termos das relações comerciais entre o Reino Unido e os principais mercados.

Além disso, argumentam, "os negócios mais pequenos e as pessoas que estes empregam são particularmente vulneráveis a qualquer choque económico que possa ocorrer".

A carta foi divulgada no dia seguinte ao ex-presidente da Câmara de Londres Boris Johnson, um dos principais defensores do 'Brexit', ter precisamente acusado os líderes empresariais britânicos de estarem alinhados com "uma operação de Downing Street [sede do Governo britânico]".

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.