sicnot

Perfil

Economia

Credores da Oi impedidos de iniciar ações nos Estados Unidos

A Oi, operadora de telecomunicação que pediu recuperação judicial na segunda-feira, informou hoje que os credores estão impedidos de iniciarem ações e rescisões contra a companhia nos Estados Unidos.

© Nacho Doce / Reuters

Em comunicado, a Oi informa que o Tribunal Federal de Falências no Distrito Sul de Nova Iorque deferiu o pedido de tutela provisória, requerida pela Oi, Telemar Norte Leste, Oi Brasil Holdings Cooperatief UA e Oi Móvel.

"A Decisão da Tutela previne os credores de iniciarem ações contra os devedores ou seus bens localizados dentro da jurisdição territorial dos Estados Unidos e impede a rescisão de contratos existentes regidos pelas leis dos Estados Unidos dos quais os devedores sejam parte", lê-se no comunicado.

Essa tutela provisória, acrescenta, "será mantida até que os devedores obtenham reconhecimento integral da corte americana de seus pedidos".

A audiência para avaliar os pedidos dos devedores foi agendada para 21 de julho.

Na quarta-feira, um juiz da 7.ª vara empresarial do Rio de Janeiro suspendeu por 180 dias ações e execuções contra a empresa brasileira de telecomunicações Oi, dois dias depois de a operadora ter entrado com um pedido de recuperação judicial e solicitado autorização judicial para adiar o pagamento de parte da sua dívida que está para vencer.

O juiz Fernando Cesar Ferreira Viana definiu o prazo de 180 dias para evitar que novas ações judiciais sejam realizadas entre o pedido de recuperação judicial e uma eventual aceitação do mesmo.

A Oi pediu proteção contra falência depois de não conseguir chegar a um acordo com os seus credores, na sequência de uma série de fusões e mudanças de gestão.

A Pharol, antiga PT SGPS, detém 27,5% da operadora da Oi e ficou com a dívida da Rioforte, holding do grupo Espírito Santo, que deixou um buraco de 847 milhões de euros na PT Portugal, operadora que foi comprada em 2015 pelo grupo francês Altice, que deixou de fora da aquisição aquela dívida.


Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.