sicnot

Perfil

Economia

Finanças reafirmam implementação rigorosa do OE 2016

O Ministério das Finanças reafirmou hoje o seu compromisso em implementar "de forma rigorosa" o Orçamento do Estado (OE) para 2016, depois dos alertas da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE) à economia portuguesa.

As instituições internacionais alertaram na quarta-feira, num comunicado no âmbito da quarta missão de avaliação após o programa de resgate a Portugal, que ocorreu entre 14 e 22 de junho, que o abrandamento económico e as políticas decididas pelo Governo constituem riscos que podem dificultar os objetivos de redução do défice orçamental deste ano.

Em comunicado, o gabinete do Ministério das Finanças lembrou que "a missão serviu para debater em maior detalhe as reformas estruturais que já estão a ser implementadas e as previstas até ao horizonte de 2020".

"Estas reformas irão fomentar a competitividade da economia portuguesa e promover um crescimento sustentado e inclusivo", refere.

O Governo diz assim tomar "nota dos pontos levantados pelas instituições internacionais".

No que respeita às perspetivas orçamentais, o Governo remete para os dados conhecidos da execução orçamental e "reafirma, ainda, o seu compromisso em continuar a implementar de forma rigorosa o Orçamentado aprovado na Assembleia da República".

"Tal execução permitirá que Portugal alcance um défice claramente compatível com as regras europeias e, dessa forma, saia do procedimento por défices excessivos", lê-se ainda no comunicado.

As missões a cargo da Comissão Europeia, do BCE, do Mecanismo Europeu de Estabilidade e do Fundo Monetário Internacional ocorrerão regularmente até que Portugal salde uma parte significativa dos empréstimos recebidos no âmbito do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro, que terminou em 2014.

Este mecanismo de acompanhamento traduz-se numa série de consultas técnicas.

O Governo estima que o défice orçamental desça para 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e Bruxelas e Frankfurt admitem que "os dados em contas públicas admitem que a execução orçamental está no caminho certo entre janeiro e abril", mas alertam que "permanecem incertezas significativas para o resto do ano".

Esses riscos são "principalmente internos e estão relacionados com a adequação das medidas políticas domésticas", ou seja, decididas pelo Governo, afirmou a Comissão Europeia e o BCE.

Nesse sentido, defendem, "a continuação das reformas de gestão das finanças públicas e uma revisão exaustiva da despesa pública são importantes para controlar a despesa e conter os riscos orçamentais".

A missão projeta um défice perto dos 3% do PIB e afirma que o ajustamento estrutural subjacente "reflete um esforço de consolidação insuficiente".

Destacando que o Governo comprometeu-se a cumprir as regras orçamentais europeias, as entidades afirmam que "para cumprir esse objetivo, o esforço para reduzir o défice orçamental estrutural deve ser intensificado".

Também no que diz respeito à dívida pública, as entidades europeias afirmam que, para garantir uma trajetória descendente, continuam a ser necessários mais esforços de consolidação.

Bruxelas e Frankfurt admitem que a atividade económica deve recuperar nos próximos meses, suportada no crescimento do consumo privado (ao mesmo tempo que as exportações devem continuar a contribuir negativamente), devido as medidas políticas de devolução de rendimentos.

No entanto, afirmam, estas medidas não vão produzir "efeitos no longo prazo" e, por isso, o consumo privado deverá abrandar "novamente em 2017".

Entre as medidas criticadas volta a estar o aumento do salário mínimo, com a Comissão e o BCE a defenderem que a medida tem de ser "monitorizada cuidadosamente, sobretudo no que diz respeito à empregabilidade dos trabalhadores com pouca formação e na estrutural geral de salários".

As duas entidades defendem que as reformas laborais que foram tomadas durante o programa de ajustamento "devem ser preservadas" e frisaram os impactos na competitividade e os "potenciais custos orçamentais" da reversão de privatizações e das concessões dos transportes públicos.

Sobre a banca, a missão afirma apenas que a consolidação do setor bancário "ainda está por alcançar, uma vez que os altos níveis de exposição ao malparado continuam a pesar negativamente no capital e produtibilidade dos bancos".

"Embora uma série de medidas políticas tenham sido tomadas nos últimos anos destinadas a diminuir o endividamento empresarial, ainda é necessária uma abordagem mais ambiciosa para reestruturar" o malparado das empresas, que poderia "melhorar as condições para produzir investimento e aumentar a resiliência do sistema bancário como um todo", consideram.


Lusa

  • Portugal pediu ajuda à troika há 5 anos
    1:56

    Economia

    Faz hoje cinco anos que Portugal pediu ajuda à troika. A 6 de abril de 2011, José Sócrates confirmava que o Governo tinha decidido pedir ajuda externa. O programa terminou há dois anos, mas os peritos internacionais mantêm a vigilância apertada e vão continuar a visitar Lisboa duas vezes por ano até 2020. Portugal continua com um défice orçamental acima do limite definido pelas regras europeias.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.