sicnot

Perfil

Economia

Ministério Público brasileiro emite parecer favorável à recuperação judicial da Oi

O Ministério Público do Rio de Janeiro emitiu hoje um parecer favorável ao processo de recuperação judicial da operadora brasileira de telecomunicações Oi.

© Nacho Doce / Reuters

Segundo o parecer, "o processo principal será no Rio de Janeiro e os processos secundários serão instaurados nos países em que a empresa identificar interesse jurídico, sendo possível a comunicação entre os juízes por meio de protocolos firmados diretamente, respeitando a soberania de cada país".

Isso deve-se ao facto de fazerem parte do processo a Portugal Telecom International Finance e a Oi Brasil Holdings Cooperatief, controladas pela Oi S.A. mas consideradas sociedades estrangeiras.

"Pela primeira vez no Brasil, deve ser corretamente aplicado o instituto da insolvência transnacional", lê-se numa nota do Ministério Público do Rio de Janeiro.

A Justiça ainda irá decidir se aceita ou não o pedido de recuperação judicial apresentado na segunda-feira pela empresa, que inclui um total de 65,4 mil milhões de reais (17 mil milhões de euros) de dívidas.

Se tal acontecer, a gigante de telecomunicações do Brasil terá 60 dias para elaborar um plano de recuperação e, posteriormente, procurar um acordo com os credores.

A Oi vendeu em 2015 a PT Portugal à empresa francesa Altice.

A Pharol, antiga PT SGPS, detém cerca de 27% da operadora de telecomunicações brasileira Oi.

Lusa

  • CMVM suspende ações da Pharol depois de pedido de recuperação judicial da Oi
    2:58

    Economia

    A Oi, a gigante brasileira das telecomunicações, está a um passo da falência e entrou com um pedido de recuperação judicial. A decisão foi anunciada ontem à noite e levou a CMVM a suspender, hoje durante todo o dia, as ações da Pharol - que é acionista da Oi. O regulador impediu também que fossem negociadas obrigações da PT que venciam já no próximo mês e que podem não ser pagas dentro do prazo. Em causa mais de 200 milhões de euros de clientes do retalho.

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.