sicnot

Perfil

Economia

Controladores aéreos portugueses em greve nos próximos cinco dias

Seis sindicatos representativos dos trabalhadores da NAV Portugal vão fazer uma greve de duas horas, durante cinco dias, o primeiro já na próxima quinta-feira, para alertar para a situação de abandono em que vive a empresa.

© Rafael Marchante / Reuters

"Os trabalhadores da NAV Portugal veem-se forçados a recorrer ao derradeiro instrumento constitucional para chamar a atenção do País para os impactos decorrentes da situação que se vive na empresa e do abandono a que tem sido votada", lê-se no comunicado enviado hoje pela plataforma sindical, que integra seis sindicatos representativos dos trabalhadores.

Os pré-avisos de greve abrangem períodos diários de duas horas na quinta-feira, dia 30 de junho (das 14h00 às 16h00) e nos dias 8, 15, 22 e 29 de julho (das 8h00 às 10h00).

A NAV é a empresa responsável pelos serviços de tráfego aéreo português, o que significa que controla os voos com partida e chegada aos aeroportos nacionais, mas também o sobrevoo do espaço aéreo português (ligações internacionais através do espaço aéreo português).

Segundo o comunicado, "há vários meses que os sindicatos representativos dos trabalhadores da NAV Portugal vêm alertando o Governo, através do Ministério do Planeamento e Infraestruturas, para os graves problemas que afetam a empresa e os seus trabalhadores".

"Os alertas têm sido reiterados em relação às implicações negativas de não haver um Conselho de Administração devidamente capacitado para a normal gestão da empresa e para o bloqueio na implementação do quadro orçamental previsto no Plano Nacional de Desempenho, já devidamente validado pela Comissão Europeia", explicam.

Os sindicatos referem "os progressos ocorridos" com a designação do tenente-coronel Albano Coutinho para presidir a partir de 01 de julho, em regime de substituição, ao Conselho de Administração da NAV Portugal.

No entanto, realçam que "esta nomeação única não altera em nada a atual situação de incapacidade de gestão da Empresa, exigindo-se a nomeação imediata da totalidade dos três membros do Conselho de Administração".

"É imperioso que sejam tomadas as decisões estratégicas que se impõem numa organização como a NAV Portugal, sob pena de ficar em causa, de forma grave, a operacionalidade da empresa que é responsável pela segurança de mais de 100 milhões de passageiros que anualmente utilizam o espaço aéreo nacional", advertem em comunicado conjunto o Sindicato dos Técnicos de Informação e Comunicações Aeronáuticas, o Sindicato dos Controladores de Tráfego Aéreo, o Sindicato dos Técnicos de Segurança Aérea, Sindicato dos Técnicos de Navegação Aérea, Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos, Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31