sicnot

Perfil

Economia

Há mais 3 milhões de empregados na UE do que há um ano

A Comissão Europeia destacou hoje o crescimento homólogo de 1,4% do emprego na União Europeia (UE) e zona euro no primeiro trimestre do ano, que representa mais 3 milhões de pessoas empregadas entre os 28 do que um ano antes.

Na análise trimestral de verão sobre emprego e a situação social da Comissão Europeia, Bruxelas destaca ainda a descida homóloga da taxa de desemprego de longa duração 0,6 pontos percentuais no último trimestre de 2015, representando agora 4,3% da força laboral da UE (5,4% da zona euro).

"Trata-se da maior diminuição desde o primeiro declínio do desemprego de longa duração observado em 2014", refere a Comissão Europeia, numa nota que acompanha o documento.

De acordo com Bruxelas, a análise trimestral mostra também uma melhoria dos Estados-membros relativamente ao desemprego jovem, que desceu de forma mais acentuada nos países mais afetados pela crise.

A nível do desemprego jovem, em abril de 2016, os dados indicavam a taxa de 18,8% na UE (19% em março) e 21,1% na zona euro (21,3% em março).

Relativamente à produtividade, à exceção da Irlanda, na maioria dos Estados-membros da zona euro o crescimento da produtividade permaneceu abaixo dos 0,5%, Portugal incluído.

O número médio de horas semanais ao serviço também decresceu nos Estados-membros no primeiro trimestre de 2016, relativamente ao mesmo trimestre de 2015, destaca a Comissão Europeia.

Entre os dados disponíveis, a Grécia (com 42,3 horas semanais) e o Reino Unido (com 41,2 horas) são os países onde os trabalhadores a tempo inteiro trabalham mais horas semanais e com Portugal a surgir com uma média de 41 horas semanais.

Ao nível do trabalho a tempo parcial, a Suécia e França (com 23,1 e 22,3 horas semanais) foram os países onde se encontraram os valores mais elevados de horas de trabalho, contra países como Portugal (com 16,5 horas semanais), Finlândia (18,3) e Espanha (18,4), onde se encontram os mais baixos.


Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.