sicnot

Perfil

Economia

Marisa Matias diz que Wolfgang Schäuble decidiu "acicatar mercados"

A eurodeputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias afirmou esta quarta-feira que as declarações do ministro das Finanças alemão sobre Portugal "só se percebem num quadro de tentar acicatar os mercados".

JOS\303\211 COELHO

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou hoje que Portugal está a pedir "um segundo programa" e que "vai consegui-lo", em declarações citadas pela agência de informação financeira Bloomberg.

Mais tarde, já em declarações aos jornalistas, o governante alemão corrigiu as suas declarações: "Os portugueses não o querem e não vão precisar (de um segundo resgate) se cumprirem as regras europeias".

"São declarações que só se percebem num quadro de tentar acicatar os mercados uma vez que a execução orçamental em Portugal está a correr bem", disse a eurodeputada, dando também como exemplo os dados do défice relativos a maio deste ano, que mostram que diminuiu.

O défice orçamental em contas públicas fixou-se nos 395 milhões de euros até maio, menos 453 milhões do que no mesmo período do ano passado, segundo dados Ministério das Finanças.

"Neste contexto, o ministro das Finanças alemão resolveu acicatar os mercados", vincou Marisa Matias.

Para a eurodeputada do BE, no contexto que se está a viver atualmente na União Europeia de "incerteza e enorme instabilidade", devido à decisão do Reino Unido de sair do bloco europeu, as declarações do ministro alemão não fazem "muito sentido".

"Sei que já desmentiram as suas declarações, mas não faz sentido neste contexto estar ainda a criar mais instabilidade social e nos mercados. Há uma enorme obsessão ideológica e uma vontade permanente de colocar pressão e chantagem em relação ao povo português", afirmou Marisa Matias.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • "Juntos por Todos" hoje no palco em Lisboa
  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.