sicnot

Perfil

Economia

Subir Lall diz que não comunicou aos parceiros sociais que iria estar no encontro

O chefe da missão do FMI em Portugal, Subir Lall, atribuiu hoje a uma falha de comunicação o facto de os parceiros sociais terem pensado que o responsável do FMI iria estar presente na reunião de terça-feira.

Subir Lall, chefe da missão do Fundo Monetário Internacional em Portugal

Subir Lall, chefe da missão do Fundo Monetário Internacional em Portugal

(Lusa/ Arquivo)

Questionado hoje sobre a sua ausência e o facto de os parceiros sociais o esperarem no encontro que convocou com os parceiros sociais no âmbito do processo de acompanhamento e monitorização da economia nacional, o chefe de missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Portugal, Subir Lall, disse que a entidade que representa sempre disse que se trataria de uma reunião técnica", para "discutir questões específicas".

"Isso foi muito claro da nossa parte", disse.

Subir Lall afirmou ainda que nunca foi comunicado aos parceiros sociais que iria estar presente no encontro.

"Deve ter havido falha de comunicação. Fico até um pouco baralhado sobre o facto de os parceiros sociais esperarem que eu iria estar, porque isso não foi de facto o que comunicámos no passado", reforçou.

Os parceiros sociais manifestaram-se na terça-feira incrédulos perante a ausência do chefe de missão do FMI para Portugal, Subir Lall, no encontro convocado pelo mesmo, no âmbito do processo de acompanhamento e monitorização da economia nacional.

Dos sete elementos do FMI que deveriam estar presentes no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, compareceram apenas dois que, segundo os parceiros, nada disseram, não se apresentaram, tomaram notas, e que apenas falaram para colocar uma questão: "Qual a opinião dos parceiros sociais sobre a redução do investimento em Portugal?".

Durante a apresentação do livro "Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal", editado por si e por Dmitry Gershenson, economista principal da equipa do FMI em Portugal, que decorreu na Nova School of Business and Economics (Nova SBE), em Lisboa, Subir Lall tinha afirmado com alguma ironia: "Ontem vimos um grande consenso por parte dos parceiros sociais".

Lusa

  • Chefe da missão do FMI falta a reunião que tinha convocado mas deixa recados
    2:40

    Economia

    O chefe de missão do FMI defende que tem de haver uma reforma ampla na administração pública que está sobredimensionada. O regresso das 35 horas serve de argumento a Subir Lall que também quer ver mais mudanças no sistema de pensões. Recados lançados num relatório e numa entrevista à agência Lusa, no dia em faltou à reunião de concertação social, que tinha convocado.

  • Portugal precisa de subir impostos para manter sistema de pensões, defende o FMI

    Economia

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) diz que para manter o sistema de pensões, Portugal precisa de aumentar os impostos e ou fazer entrar mais dinheiro na Segurança Social. Numa entrevista ao jornal eletrónico Observador, o chefe de missão Subir Lall, disse que vai ser necessário um acordo entre maioria e oposição, depois das legislativas, para manter o atual sistema.  

  • FMI alerta para necessidade de medidas adicionais em 2015

    Economia

    O FMI avisa que podem ser necessárias medidas adicionais, este ano, para chegar a um défice inferior ao limite de 3%. Numa entrevista exclusiva à SIC, o chefe da missão do FMI em Portugal considera que a atual conjuntura, com o petróleo e o euro em baixa, não pode ser desperdiçada. Subir Lall pede ao Governo que aproveite o momento para resolver os problemas estruturais da economia, que ainda persistem, relançando a agenda de reformas.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.