sicnot

Perfil

Economia

Caldeira Cabral diz não haver "nenhuma perspetiva" de medidas adicionais de contenção

O ministro da Economia disse hoje que não há "nenhuma perspetiva" do Governo de criar medidas adicionais de contenção orçamental e disse estar a encarar "com realismo" a revisão em baixa feita pelo FMI ao crescimento da economia portuguesa.

"Encaramos toda esta situação com realismo e estamos atentos a estes números", afirmou Caldeira Cabral, destacando como "muito positivo" no relatório do FMI a perspetiva assumida de que "o crescimento deverá melhorar ao longo do ano".

O ministro da Economia, que falava à margem da cerimónia de arranque das comemorações do 30.º aniversário da ANJE, no Porto, salientou ainda a perspetiva do FMI de que os objetivos de contas públicas serão "cumpridos também ao longo do ano".

Num comunicado após a conclusão da quarta missão de monitorização pós-programa (e também no âmbito do artigo V) divulgado hoje, o FMI reviu em baixa as previsões de crescimento económico para 1,0%, menos 0,4 pontos percentuais que os 1,4% previstos em abril no World Economic Outlook.

"Estamos num período internacional mais conturbado. O Brexit lançou algumas dúvidas sobre os mercados e, estamos também com uma situação internacional que tem levado algumas instituições internacionais a rever em baixa os números num conjunto muito alargado de países", comentou Caldeira Cabral.

Questionado sobre a revisão em baixa, o governante respondeu que "o FMI normalmente tem sempre expectativas mais pessimistas", salientando porém que "o próprio FMI reconhece no seu relatório que o crescimento em Portugal deverá melhorar ao longo do ano".

Quanto a medidas adicionais de contenção orçamental, o ministro da Economia disse que "não há nenhuma perspetiva disso" e que "em termos orçamentais" Portugal está "no bom caminho".

"Penso que, apesar de condições externas económicas adversas, estamos a conseguir cumprir as metas orçamentais", sublinhou.

Caldeira Cabral realçou ainda que "tanto o FMI como as instituições comunitárias hoje reconhecem que haverá um défice abaixo dos 3%".

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais pessimista em relação à economia portuguesa, esperando agora que o PIB cresça 1,0% este ano, abaixo do que previa em abril e do que ainda antecipa o Governo.

A instituição liderada por Christine Lagarde justifica a revisão em baixa com o abrandamento da economia portuguesa verificado desde meados do ano passado e com o aumento da incerteza a nível externo.

No comunicado divulgado hoje, o Fundo também reviu ligeiramente em alta a taxa de desemprego deste ano e do próximo, de 11,6% para 11,8% e de 11,1% para 11,3%, respetivamente.

Também nesse sentido, a instituição sediada em Washington defende que avançar com as reformas estruturais "é essencial para estimular a convergência de salários e a criação de trabalho, sobretudo dado o crescimento de desafios demográficos".

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59