sicnot

Perfil

Economia

Caldeira Cabral diz não haver "nenhuma perspetiva" de medidas adicionais de contenção

O ministro da Economia disse hoje que não há "nenhuma perspetiva" do Governo de criar medidas adicionais de contenção orçamental e disse estar a encarar "com realismo" a revisão em baixa feita pelo FMI ao crescimento da economia portuguesa.

"Encaramos toda esta situação com realismo e estamos atentos a estes números", afirmou Caldeira Cabral, destacando como "muito positivo" no relatório do FMI a perspetiva assumida de que "o crescimento deverá melhorar ao longo do ano".

O ministro da Economia, que falava à margem da cerimónia de arranque das comemorações do 30.º aniversário da ANJE, no Porto, salientou ainda a perspetiva do FMI de que os objetivos de contas públicas serão "cumpridos também ao longo do ano".

Num comunicado após a conclusão da quarta missão de monitorização pós-programa (e também no âmbito do artigo V) divulgado hoje, o FMI reviu em baixa as previsões de crescimento económico para 1,0%, menos 0,4 pontos percentuais que os 1,4% previstos em abril no World Economic Outlook.

"Estamos num período internacional mais conturbado. O Brexit lançou algumas dúvidas sobre os mercados e, estamos também com uma situação internacional que tem levado algumas instituições internacionais a rever em baixa os números num conjunto muito alargado de países", comentou Caldeira Cabral.

Questionado sobre a revisão em baixa, o governante respondeu que "o FMI normalmente tem sempre expectativas mais pessimistas", salientando porém que "o próprio FMI reconhece no seu relatório que o crescimento em Portugal deverá melhorar ao longo do ano".

Quanto a medidas adicionais de contenção orçamental, o ministro da Economia disse que "não há nenhuma perspetiva disso" e que "em termos orçamentais" Portugal está "no bom caminho".

"Penso que, apesar de condições externas económicas adversas, estamos a conseguir cumprir as metas orçamentais", sublinhou.

Caldeira Cabral realçou ainda que "tanto o FMI como as instituições comunitárias hoje reconhecem que haverá um défice abaixo dos 3%".

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais pessimista em relação à economia portuguesa, esperando agora que o PIB cresça 1,0% este ano, abaixo do que previa em abril e do que ainda antecipa o Governo.

A instituição liderada por Christine Lagarde justifica a revisão em baixa com o abrandamento da economia portuguesa verificado desde meados do ano passado e com o aumento da incerteza a nível externo.

No comunicado divulgado hoje, o Fundo também reviu ligeiramente em alta a taxa de desemprego deste ano e do próximo, de 11,6% para 11,8% e de 11,1% para 11,3%, respetivamente.

Também nesse sentido, a instituição sediada em Washington defende que avançar com as reformas estruturais "é essencial para estimular a convergência de salários e a criação de trabalho, sobretudo dado o crescimento de desafios demográficos".

Lusa

  • As primeiras reações à morte de Chester Bennington

    Cultura

    Chester Bennington, vocalista da banda de metal alternativo Linkin Park, morreu esta quinta-feira em casa em Palos Verdes Estates, no estado da Califórnia, nos EUA. Várias celebridades já reagiram à morte do músico de 41 anos. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional

    Mundo

    A antiga estrela de futebol americano O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional, depois de ter cumprido nove anos de prisão num estabelecimento prisional do estado do Nevada, nos Estados Unidos.

  • Filho do leão Cecil também foi abatido por um caçador

    Mundo

    Xanda pode ter tido o mesmo fim que o seu pai, o leão Cecil, que em 2015 foi abatido por um caçador, no Zimbabué. Na altura, a morte de Cecil tomou proporções inéditas, chegando uma imagem do leão a ser projetada na fachada do Empire State Building. Agora, Xanda terá sido abatido a tiro por um caçador de troféus.