sicnot

Perfil

Economia

Caldeira Cabral diz não haver "nenhuma perspetiva" de medidas adicionais de contenção

O ministro da Economia disse hoje que não há "nenhuma perspetiva" do Governo de criar medidas adicionais de contenção orçamental e disse estar a encarar "com realismo" a revisão em baixa feita pelo FMI ao crescimento da economia portuguesa.

"Encaramos toda esta situação com realismo e estamos atentos a estes números", afirmou Caldeira Cabral, destacando como "muito positivo" no relatório do FMI a perspetiva assumida de que "o crescimento deverá melhorar ao longo do ano".

O ministro da Economia, que falava à margem da cerimónia de arranque das comemorações do 30.º aniversário da ANJE, no Porto, salientou ainda a perspetiva do FMI de que os objetivos de contas públicas serão "cumpridos também ao longo do ano".

Num comunicado após a conclusão da quarta missão de monitorização pós-programa (e também no âmbito do artigo V) divulgado hoje, o FMI reviu em baixa as previsões de crescimento económico para 1,0%, menos 0,4 pontos percentuais que os 1,4% previstos em abril no World Economic Outlook.

"Estamos num período internacional mais conturbado. O Brexit lançou algumas dúvidas sobre os mercados e, estamos também com uma situação internacional que tem levado algumas instituições internacionais a rever em baixa os números num conjunto muito alargado de países", comentou Caldeira Cabral.

Questionado sobre a revisão em baixa, o governante respondeu que "o FMI normalmente tem sempre expectativas mais pessimistas", salientando porém que "o próprio FMI reconhece no seu relatório que o crescimento em Portugal deverá melhorar ao longo do ano".

Quanto a medidas adicionais de contenção orçamental, o ministro da Economia disse que "não há nenhuma perspetiva disso" e que "em termos orçamentais" Portugal está "no bom caminho".

"Penso que, apesar de condições externas económicas adversas, estamos a conseguir cumprir as metas orçamentais", sublinhou.

Caldeira Cabral realçou ainda que "tanto o FMI como as instituições comunitárias hoje reconhecem que haverá um défice abaixo dos 3%".

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais pessimista em relação à economia portuguesa, esperando agora que o PIB cresça 1,0% este ano, abaixo do que previa em abril e do que ainda antecipa o Governo.

A instituição liderada por Christine Lagarde justifica a revisão em baixa com o abrandamento da economia portuguesa verificado desde meados do ano passado e com o aumento da incerteza a nível externo.

No comunicado divulgado hoje, o Fundo também reviu ligeiramente em alta a taxa de desemprego deste ano e do próximo, de 11,6% para 11,8% e de 11,1% para 11,3%, respetivamente.

Também nesse sentido, a instituição sediada em Washington defende que avançar com as reformas estruturais "é essencial para estimular a convergência de salários e a criação de trabalho, sobretudo dado o crescimento de desafios demográficos".

Lusa

  • Tudo isto circula na internet. Nada disto é verdade
    3:12
  • Peso dos salários na economia diminuiu
    2:34

    Economia

    Portugal é dos países onde o peso dos salários na economia mais diminuiu. Ou seja, os salários portugueses foram dos mais encolheram com a crise. A conclusão é da Organização Internacional do Trabalho que sublinha as implicações negativas ao nível social e económico.

  • Inaugurado Ikea de Loulé
    3:51

    Economia

    Centenas de pessoas aguardavam à porta do Ikea de Loulé para a inauguração da nova loja no Algarve, uma semana depois do acidente que matou uma trabalhadora. A cerimónia decorreu de forma sóbria, ainda que com alguma pompa e circunstância.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.