sicnot

Perfil

Economia

Oi prevê aumentar salários dos gestores quando está em recuperação judicial

O operadora brasileira Oi tem previsto aumentar as remunerações dos seus gestores em 7% este ano, quando está em processo de recuperação judicial com o objetivo de se proteger dos credores.

© Nacho Doce / Reuters

A Oi, que é a maior operadora de telefone fixo do Brasil e a quarta em rede móvel, apresentou a 20 de junho o maior pedido de recuperação judicial da história do Brasil, perante uma dívida total de 65,4 mil milhões de reais (17 mil milhões de euros), para evitar a falência. O pedido já foi aceite pelo tribunal do Rio de Janeiro na quarta-feira.

Segundo a agência de informação financeira Bloomberg, no mesmo dia a empresa estimou pagar este ano 44,9 milhões de reais (cerca de 12,5 milhões de euros à taxa de câmbio atual) aos membros do Conselho de Administração e Fiscalização, um plano que foi reiterado há três dias. Esse valor significa um aumento de 7% face ao gasto do ano passado, isto apesar da deteriorada situação financeira da empresa.

Contactada pela Bloomberg, fonte oficial disse que o aumento do pagamento inclui 3,1 milhões de reais (865 mil euros) que estavam dependentes do desempenho das ações e que os valores a pagar foram aprovados em assembleia-geral.

A Oi vendeu em 2015 a PT Portugal à empresa francesa Altice.

A Pharol, antiga PT SGPS, detém cerca de 27% da operadora de telecomunicações brasileira Oi.

Lusa

  • Donaldtrumpi, a traça

    Mundo

    O investigador Vazrick Nazari decidiu dar o nome de Donald Trump a uma nova espécie de traça. O inseto foi descoberto na Califórnia e tem algo em comum com o Presidente dos Estados Unidos: uma pelagem loura muito parecida ao penteado de Trump.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.