sicnot

Perfil

Economia

"Se a Comissão não faz nada, temos nós de agir e resolver os problemas"

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, disse hoje que, se a Comissão Europeia não resolver rapidamente os principais problemas, devem ser tomadas decisões intergovernamentais, mesmo que nessas decisões não sejam envolvidos todos os Estados membros da União Europeia.

Geert Vanden Wijngaert

"Se a Comissão não faz nada, temos nós de agir e resolver os problemas entre os governos. Se não dor possivel juntas todos os 27 tem de se começar com poucos", disse o ministro, em declarações publicadas hoje pelo semanário alemão "Welt am Sonntag".

Wolfgang Schäuble rejeitou a ideia de reagir ao Brexit retirando poderes a Bruxelas e devolvê-los aos Estados membros: "Isso não resolve os nossos problemas. Agora não podemos lidar com as mudanças complicadas nos tratados que exigem a unanimidade", disse ele.

A UE, de acordo com o ministro, tem que mostrar agora que pode resolver rapidamente alguns problemas-chave, pois "só então vai convencer as pessoas e a confiança vai-se recuperar".

Como problemas centrais, Schäuble enumerou a crise dos refugiados ou a luta contra o desemprego dos jovens em países em crise.

Lusa

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.