sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas obriga sete clubes espanhóis de futebol a devolver ajudas públicas ilegais

A Comissão Europeia determinou que sete clubes de futebol profissional de Espanha beneficiaram ilegalmente de apoios públicos, o que traduz uma infração das regras de auxílios do Estado a empresas no âmbito da União Europeia (UE).

Reuters

Depois de três investigações em profundidade que concluíram que as ajudas foram ilegítimas, a Comissão decidiu que FC Barcelona, Real Madrid, Valência, Athletic Bilbau, Osasuna, Elche e Hércules deverão devolver verbas recebidas.

A comissária europeia responsável pela Concorrência, Margrethe Vestager, indicou hoje que "usar os impostos pagos pelos contribuintes para financiar clubes de futebol profissional pode criar concorrência desleal", acrescentando que esta é uma atividade comercial com "muito dinheiro envolvido".

Uma primeira investigação centrou-se em benefícios fiscais para o Real Madrid, FC Barcelona, Athletic Bilbau e Osasuna, porque, apesar de os clubes profissionais serem considerados sociedades anónimas para efeitos fiscais, estes quatro eram tratados como organizações sem fim lucrativos.

Os quatro clubes beneficiaram de uma taxa reduzida de impostos durante mais de 20 anos, sem justificação objetiva, segundo Bruxelas, que estima que a devolução de verbas possa chegar a um máximo de cinco milhões de euros por clube.

"As somas exatas a devolver devem ser determinadas pelas autoridades espanholas no decorrer do processo", lê-se num comunicado da Comissão.

Numa segunda investigação foi concluído que o município de Madrid sobrevalorizou em 18,4 milhões de euros terrenos afetados ao Real Madrid, o que se revelou numa "vantagem injustificada face a outros clubes e que deve ser devolvida".

No terceiro processo, Bruxelas investigou as garantias dadas pelo Instituto Valenciano de Finanças, uma entidade pública, no âmbito de empréstimos concedidos ao Valência, Hércules e Elche, na altura em dificuldades financeiras.

Na conclusão, a Comissão considerou que, "devido à garantia pública, os clubes puderam obter empréstimos em condições vantajosas" e que "o financiamento não estava ligado a qualquer plano de reestruturação visando a viabilização dos clubes".

O Valência deverá agora devolver 20,4 milhões de euros, o Hércules 6,1 milhões de euros e o Elche 3,7 milhões de euros.

Numa outra investigação, referente ao futebol profissional na Holanda, o executivo comunitário concluiu que as verbas recebidas pelo FC Den Bosch, MVV Maastricht, NEC Nijmegen e Willem II Tilburg cumpriram as regras europeias, enquanto a transação de terrenos relacionada com o PSV Eindhoven "não envolveu qualquer auxílio, uma vez que decorreu no âmbito das condições de mercado".

"Nos casos holandeses, descobrimos que as medidas respeitaram as regras de apoios públicos e não distorceram a concorrência", acrescentou a comissária.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".