sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas sem vontade política para reduzir dívida de alguns países, diz economista-chefe do FMI

A União Europeia não tem vontade política para reduzir a dívida de alguns Estados-membros disse Maurice Obstfeld, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao jornal Negócios.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

"Não vejo vontade política para isso neste momento. Como objetivo de longo prazo, em termos de avançar em direção a formas mais cooperativas de gestão das políticas orçamentais estruturais, faz todo o sentido. Há propostas da Comissão Europeia para apoiar iniciativas estruturais em países individuais. Isso deveria ser analisado com cuidado", afirmou Maurice Obstfel.

Sem especificar, o economista-chefe do FMI refere que "algumas" reformas em Porugal podem dar resultados "muito depressa", considerando a importância de medidas fiscais como um meio para resolver os níveis da dívida pública e a fragilidade bancária.

"Não podemos pensar apenas numa ferramenta, temos de pensar no conjunto das ferramentas. Se não pode reduzir a dívida, então tem de aumentar o crescimento. Isso pode exigir reformas fiscais de várias naturezas e exige reformas no mercado do produto", declarou o responsável do FMI.

Sendo assim, Maurice Obstfeld sublinha que Portugal tem de encontrar formas de mobilizar a "grande bolsa de desempregados" com baixas qualificações.

"Se isso não acontecer, pode ser mais difícil lidar com o problema bancário atempadamente", argumenta.

Questionado sobre a fadiga em relação às reformas em Portugal, Obstfeld diz que o atual Governo fez campanha contra menos austeridade e que "é compreensível que, após vários anos de ajustamento", existe cansaço, mas frisa que os sucessos do passado podem ser "frágeis", num ambiente em que as dívidas empresarial e pública permanecem elevadas.

"O nosso concelho é que mantenham o rumo", sublinhou sem querer pronunciar-se sobre a dívida "sem olhar para os dados".

Maurice Obstfeld, 64 anos, foi conselheiro do Presidente norte-americano Barack Obama para temas macroeconómicos e foi entrevistado pelo jornal de Negócios à margem da Fórum do Banco Central Europeu, que decorreu na semana passada em Portugal.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Investigação australiana recomenda fim do celibato na Igreja Católica

    Mundo

    Uma investigação australiana sobre abuso sexual de crianças recomendou hoje à Igreja Católica que levante a exigência de celibato ao clero, de acordo com o relatório final. O mesmo documento, com 189 recomendações e 17 volumes, indicou que deve também ser esclarecido até onde vai o segredo da confissão quando estão em causa provas de crimes contra menores.

  • Trabalhos de estabilização de solos nas áreas ardidas começam na Lousã
    1:24

    País

    Vários concelhos afetados pelos incêndios estão a começar a receber uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas. O trabalho arrancou esta quinta-feira na zona da Lousã e tem como objetivo reduzir o impacto da chuva nos terrenos afetados pelos fogos. Nos trabalhos, estão presentes o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro e a Força Especial de Bombeiros.

  • Anúncio de lince ibérico no OLX sob investigação
    1:25

    País

    A GNR está a investigar um anúncio de venda de um lince ibérico no site de classificados OLX. As autoridades admitem poder tratar-se de uma bricandeira, mas sendo o lince uma espécie protegida e a sua captura e venda um crime, o caso está a ser investigado. O anúncio foi entretanto retirado do site.

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC