sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas sem vontade política para reduzir dívida de alguns países, diz economista-chefe do FMI

A União Europeia não tem vontade política para reduzir a dívida de alguns Estados-membros disse Maurice Obstfeld, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao jornal Negócios.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

"Não vejo vontade política para isso neste momento. Como objetivo de longo prazo, em termos de avançar em direção a formas mais cooperativas de gestão das políticas orçamentais estruturais, faz todo o sentido. Há propostas da Comissão Europeia para apoiar iniciativas estruturais em países individuais. Isso deveria ser analisado com cuidado", afirmou Maurice Obstfel.

Sem especificar, o economista-chefe do FMI refere que "algumas" reformas em Porugal podem dar resultados "muito depressa", considerando a importância de medidas fiscais como um meio para resolver os níveis da dívida pública e a fragilidade bancária.

"Não podemos pensar apenas numa ferramenta, temos de pensar no conjunto das ferramentas. Se não pode reduzir a dívida, então tem de aumentar o crescimento. Isso pode exigir reformas fiscais de várias naturezas e exige reformas no mercado do produto", declarou o responsável do FMI.

Sendo assim, Maurice Obstfeld sublinha que Portugal tem de encontrar formas de mobilizar a "grande bolsa de desempregados" com baixas qualificações.

"Se isso não acontecer, pode ser mais difícil lidar com o problema bancário atempadamente", argumenta.

Questionado sobre a fadiga em relação às reformas em Portugal, Obstfeld diz que o atual Governo fez campanha contra menos austeridade e que "é compreensível que, após vários anos de ajustamento", existe cansaço, mas frisa que os sucessos do passado podem ser "frágeis", num ambiente em que as dívidas empresarial e pública permanecem elevadas.

"O nosso concelho é que mantenham o rumo", sublinhou sem querer pronunciar-se sobre a dívida "sem olhar para os dados".

Maurice Obstfeld, 64 anos, foi conselheiro do Presidente norte-americano Barack Obama para temas macroeconómicos e foi entrevistado pelo jornal de Negócios à margem da Fórum do Banco Central Europeu, que decorreu na semana passada em Portugal.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.