sicnot

Perfil

Economia

Comissário europeu defende sanções contra Portugal e Espanha

O comissário europeu para a Economia Digital, Gunther Oettinger, mostrou-se hoje favorável à aplicação de sanções a Portugal e Espanha, por considerar que se verificaram incumprimentos na redução do deficit.

O comissário europeu disse ao jornal alemão Bild que "as sanções são necessárias"

O comissário europeu disse ao jornal alemão Bild que "as sanções são necessárias"

© Yves Herman / Reuters

O comissário europeu disse ao jornal alemão Bild que "as sanções são necessárias", argumentando que "será inexplicável para as pessoas" caso as medidas não venham a ser aplicadas.

"Ambos países não conseguiram cumprir os compromissos em 2015 e a Comissão Europeia, para defender a sua credibilidade, deve aprovar sanções contra Espanha e Portugal", afirmou o democrata-cristão alemão Gunther Oettinger, adiantando que o assunto deve ser discutido ainda esta semana.

As declarações do comissário europeu para a Economia seguem-se às posições demonstradas pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, ex-primeiro-ministro da Letónia, que, em declarações à última edição da revista alemã Der Spiegel, defendia uma decisão rápida no que diz respeito à aplicação das sanções.

Segundo a agência noticiosa Efe considera-se que a questão pode vir a ser abordada na reunião da Comissão Europeia agendada para terça-feira em Estrasburgo, França.

Em junho, Dombrovskis afirmou que a Comissão Europeia deveria fazer cumprir as normas, mas evitando que as medidas prejudiquem a recuperação económica dos dois países.

A Comissão Europeia decidiu em maio adiar até ao mês de julho a eventual aplicação de sanções, caso se viesse a considerar que Portugal e Espanha não tivessem cumprido todos os compromissos sobre a redução dos respetivos deficit.

A decisão sobre a aplicação de sanções deve ser adotada por uma maioria qualificada dos Estados-membros e compete à Comissão Europeia fazer a recomendação sobre as medidas a aplicar

Com Lusa

  • "É ilusão achar que se pode voltar ao ponto em que começou a crise. Isso não há!"
    0:58
  • "O polvo está perfeitamente à rasca"
    1:45